.

.

.

.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

PONTO DE VISTA DE UM LEITOR: o "desaguisado de Joana Serrano com os camaradas"

Sempre vi a AIDIA como o embrião de um movimento de cidadãos para um dia concorrerem a umas eleições locais. Talvez o ano de 2013 fosse o ano ideal, até porque quem conhece a história recente de Alpiarça ainda se lembra que João Serrano era o candidato escolhido pelo PCP para suceder a Joaquim Matias e não Armindo Pinhão e João Serrano nunca perdeu essas esperanças, só que a candidatura de Francisco Cunha veio baralhar as contas, sendo agora o espaço curto para aparecer mais um independente.

Sendo opinião geral que o candidato PS é muito fraquinho, os mais esclarecidos prevêem que daqui por uns meses PSD e CDS acabem por apoiar a candidatura de Francisco Cunha, que assim teria o apoio de gente da sua área, o centro-direita. Quem vota habitualmente PS, descrente com a candidatura do PS votará Francisco Cunha a quem se juntarão alguns elementos da AIDIA que têm andado a namorar o PCP/CDU mas que agora vão cair fora, depois do desaguisado de Joana Serrano com os camaradas. Espera-se por isso umas das eleições mais disputadas da nossa jovem democracia. 

Noticia relacionada:
Patacão é a única cultura palafíta da Europa": 

PATRIMÓNIO LOCAL: Em defesa do nosso Património histórico!

Muitas vezes me têm sido expostas as dificuldades dos concelhos do interior, designadamente no nosso distrito. Confrontados com a desertificação humana e com as rápidas transformações económicas que os atiraram para um círculo de exclusão, os nossos concelhos mais antigos, que foram em tempos as verdadeiras células vivas do tecido nacional, encontram-se agora numa situação extremamente vulnerável, que coloca mesmo o problema da sobrevivência do actual modelo administrativo.

Em tempo de pré-autárquicas, é justo que se faça uma reflexão sobre a situação e se lancem ideias à consideração dos cidadãos eleitores.
Em defesa do nosso Património histórico!
Noticia relacionada:
 "CULTURA: “que a CDU volte a ser oposição, lugar pa...": 

COMENTARISTA QUESTIONA: " há quantos anos essa rua está assim?"

Alfredo Lima: É saudável que nos mobilizemos para a resolução daqueles que, cada um de nós, achamos que são os principais problemas a resolver, como parece ser o caso. 
Contudo permitam-me duas questões: 
Primeira, há quantos anos essa rua está assim? 
O que fizeram antes para que esta desagradável situação fosse resolvida? 
Segunda: Talvez não saibam que as verbas que foram conseguidas para o arranjo da praça junto do município não podem ser "desviadas" para outro tipo de obras como aquela que vocês, justamente defendem.
Os fundos comunitários são disponibilizados para projectos concretos. 

É por isso que pelo que sei, a CM já candidatou por diversas vezes o arranjo de ruas do concelho e essas candidaturas foram chumbadas.
Neuza Catarina: tenho 19 anos e desde que me lembro de ser gente esta rua foi sempre assim!! É o meu avô que muitas vezes tenta tapar os buracos que existem na rua! 
Quanto ao dinheiro que é para arranjar coisas que não tem utilidade já não tenho nada a ver com isso!
Isto são extratos de conversas no Facebook. Quem é este Alfredo Lima que usa indignamente o nome de alguém já falecido ? Será que a família de Alfredo Lima sabe que anda ai um menino que gosta de se esconder no anonimato e que não gosta de dar a cara por cobardia e que usa o nome de gente que já morreu para andas a defender o PCP ? Por acaso a família deu-lhe autorização para isso ? Ganhe vergonha, seu palhaço 

Noticia relacionada:
 "Alpiarça e Executivo da CDU em todo o seu esplendo...": 

OPINIÃO: " O que tem a ver o PDM com fundos comunitários?"


 Se isso fosse verdade, a maioria dos monumentos (castelos, conventos, antas, citânias) não poderia ser objecto de financiamento.
Utopias e dinheiro mal gasto foi o que a CDU apresentou no seu programa eleitoral e que se prepara para fazer numa praça que não acrescenta uma vírgula à vida dos Alpiarcenses.
Tirando os funcionários camarários que terão mais uns lugares de estacionamento, a obra em termos de desenvolvimento local e de interesse para a população vale ZERO!
Diria mais:
 Numa altura que as famílias olham para 2013 com apreensão, é um crime ir esbanjar dinheiro em obras eleitoralistas.
É mesmo bom que esclareçam esta questão do Patacão.
É que o povo pode cobrar os empregos que deixam de ser criados e um investimento que se perde por não ter saído da estratégia centralista do PCP.
Notícia relacionada:

CULTURA: “que a CDU volte a ser oposição, lugar para que está talhada e onde se sente à vontade”


O comentarista (Patacão é a única cultura palafita da Europa) tem toda a razão quando afirma que o “executivo da CDU” (presidido por Mário Pereira -foto) em termos culturais é “um zero à esquerda”.
Mas esta ignorância em termos culturais como a falta de apoio à cultura local, nomeadamente o abandono para com o projecto avieiro, não acontece por acaso.
A área da cultura é uma área que exige muito conhecimento como também muita sensibilidade por parte das pessoas especialmente de quem tem responsabilidades culturais.
Infelizmente em Alpiarça é difícil encontrar e nomear alguém com esta sensibilidade e conhecimentos, daqui o executivo da CDU “marimbar-se” para a única cultura palafíta que existe na Europa que por acaso está situado no Concelho de Alpiarça, mais concretamente no “Patacão”
Mas o que mais choca e entristece esta “trapalhada” toda é termos um presidente de Câmara que é licenciado em História que deveria ser o primeiro a defender e apoiar esta cultura e este projecto.
Mas, para azar de Alpiarça e dos alpiarcenses primeiro deve estar o Partido e só depois Alpiarça.
Na verdade Alpiarça precisa urgentemente de um “terramoto” eleitoral de forma a acabar com o distanciamento dos políticos pela causa pública.
Tínhamos a possibilidade de desenvolver um projecto a custo zero para o perder a favor de ninguém.
Lendo a notícia do Mirante chega-se à conclusão que um professor de história, que por mero acaso é presidente da câmara, rejeitou que uma aldeia histórica fosse preservada. 
Imagino o barulho que seria feito se a CDU estivesse na oposição.



“….Esperamos que o ano de 2013 seja de mudança, que este projecto possa ser levado por diante, e que a CDU volte a ser oposição, lugar para que está talhada e onde se sente à vontade…)



Mais uma vez se prova que esta gente que nos (des)governa é incompetente e castradora do progresso.
Tudo o que não possam controlar é para abater.
Esperamos que o ano de 2013 seja de mudança, que este projecto possa ser levado por diante, e que a CDU volte a ser oposição, lugar para que está talhada e onde se sente à vontade.
Noticia relacionada:
"Patacão é a única cultura palafíta da Europa"
Fonte para o texto: comentários 

Alpiarça e Executivo da CDU em todo o seu esplendor


 Bela rua não é? Esta é a Travessa das Aires que precisa de ser arranjada. Podemos dizer 

Travessa nos dias em que não está   a chover porque senão é mais Rio Aires!

Foto de: Neuza Catarina

Empresas “startups” que contratem desempregados não pagam TSU

 Governo implementa medida para criar emprego e incentivar o empreendedorismo. “Startups” podem receber um máximo de 300 euros por mês por cada posto de trabalho criado, desde que seja ocupado por desempregados.
O Governo vai implementar uma série de medidas que visam gerar novos empregos por parte das empresas “baseadas em conhecimento e com potencial de crescimento em mercados internacionais”, que classifica de “startups”, devolvendo-lhes até 100% da taxa social única que estas pagam a um novo trabalhador, durante um período máximo de 18 meses.
 A portaria com as regras, que tinha já sido enviada aos parceiros sociais, foi hoje publicada em Diário da República e entra em vigor amanhã, sendo que as empresas interessadas em receber este apoio têm de apresentar a candidatura, até ao final do próximo ano, junto do IEFP, no site www.netemprego.gov.pt.
 Estas medidas inserem-se no âmbito do Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego, assinado pelo Governo com os parceiros sociais no início de 2012. Este pacote específico destinado a “startups”, que tem a designação de +Empresas e insere-se no Programa Estratégico +E +I, “reflecte a primazia atribuída à promoção do empreendedorismo, também patente no Programa do Governo, com o objectivo claro de se criar um ambiente favorável ao aumento da competitividade da economia portuguesa e à criação de novas empresas”.
 Segundo explica o Governo na Portaria hoje publicada, “no contexto actual, importa promover a criação de empresas baseadas em conhecimento e com potencial de crescimento em mercados internacionais, comummente designadas como startups, e que poderão vir a desempenhar um papel fundamental para o futuro do país, concretamente, para o aumento das exportações, para a criação de emprego e para o combate ao desemprego”.
 Contratação sem termo de desempregados garante apoio máximo
 Os apoios do Estado à contratação de trabalhadores por parte das “startups” é semelhante a outros programas já aprovados pelo Governo que visam combater o desemprego, como  o Impulso Jovem, onde as empresas também recebem parte da TSU paga aos trabalhadores na contratação de jovens desempregados.
 Neste programa dirigido às “startups”, o reembolso das contribuições do empregador para a Segurança Social varia proporcionalmente com a retribuição do trabalhador, até um limite máximo de 300 euros por mês, “de forma a optimizar a utilização dos recursos disponíveis”.
Está também condicionado à criação líquida de emprego por parte das empresas aderentes e varia consoante os termos do contrato de trabalho proposto ao trabalhador, bem como a sua situação laboral antes de ser contratado (desempregado ou não).
 Às startups que contratem, sem termo, um trabalhador que esteja no desemprego há pelo penos quatro meses, é atribuído o reembolso de 100% da TSU suportada com esse trabalhador, num valor máximo de 300 euros por mês. Se o contrato firmado com o trabalhador for a termo (mínimo de 18 meses), o valor do reembolso desce para 75% num máximo de 225 euros por mês.
 Já se o trabalhador em causa estiver desempregado há menos de quatro meses, ou a trabalhar noutra empresa com um contrato a termo, o apoio desce para 50% num máximo de 175 euros. Neste caso o contrato celebrado com o trabalhador tem que ser sem termo para garantir o apoio.
«JN»

Patacão é a única cultura palafíta da Europa

( de João Serrano (Direcção da AIDIA)

Em relação à notícia agora publicada com o título “Recuperação da aldeia avieira do Patacão é para fazer mas não para já”, os valores divulgados pela AIDIA na sessão daquela Assembleia Municipal são diferentes. O investimento previsional é de um milhão de euros para recuperar a aldeia avieira do Patacão. Este valor é suportado em 85% a fundo perdido pelo QREN, e os restantes 15% por um empresário que já o revelou em Outubro passado, numa reunião com o Sr. presidente da Câmara de Alpiarça. 
Ler mais em: 
 http://www.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao=54&id=55929&idSeccao=541&Action=noticia#.UOGC-uSpCbs

domingo, 30 de dezembro de 2012

“MENSAGEM DE ANO NOVO” DE PEDRO GASPAR (*)



Abracemos, com amor, o ano de 2013.


Desejo, com esse entusiasmo do coração, que o Ano Novo seja, de facto, novo.
Porque gastas estão as palavras de desânimo e porque gastos estamos nós de sentir os seus efeitos.
Urge refundar a esperança, abrir o peito e respirar ar fresco. Num mundo em que a selvajaria económica carrega com nuvens de medo o Homem simples e trabalhador, é vital respirar um novo ar que permita recuperar a dignidade roubada.
O mundo mudou. O mundo muda sempre. E nós mudamos com ele. Mas vamos sempre um passo atrás. Tropeçamos nessa mudança, caímos, levantamo-nos e aprendemos. Quando já sabemos das novas regras, o mundo volta a mudar. E começamos tudo de novo.
Mas podemos ser nós, cidadãos comuns, a fazer o mundo mudar ao nosso ritmo. Ao ritmo do que é realmente fundamental. E o fundamental é o humanismo, o respeito pelo nosso semelhante, a união fraterna entre diferentes que nos volte a conduzir ao estado em que somos, de facto, iguais. Iguais nos direitos, iguais nos deveres.
Então marquemos nós o passo do mundo. Ergamos a cabeça e olhemos em frente. Que o investimento seja nos valores do ser humanos e não nos valores que se tem num cofre. Que a ajuda ao próximo não seja confundida com uma próxima “ajuda” de uma troika qualquer.
Todas as crises, no entanto, têm um lado positivo. Esta crise faz-nos perceber o essencial. E o essencial são as pessoas. Nada mais. Poucos foram os períodos da história em que estivemos tão lúcidos sobre o mundo que nos rodeia.
Que saibamos ter a clarividência para as escolhas difíceis de 2013 porque, neste mundo que já não nos dá espaço para experimentalismos ou aventureiros, teremos de dizer ao mundo, se o queremos mudar, qual vai ser o caminho que queremos abraçar.
Desejo a todos, sem excepção, um Feliz Ano de 2013.

(*) Candidato a presidente da Câmara  de Alpiarça pelo Partido Socialista

ELEIÇÕES: "O PS ofereceu de bandeja a disputa da Câmara entre a CDU e o Francisco Cunha"


A grande diferença não está no partido, a grande diferença está no carisma, na competência  no conhecimento da terra e das pessoas e na qualidade do candidato.
Não tenho duvidas se o Francisco Cunha fosse o candidato do PS nesta sondagem já tinha mais de 95%, e nas eleições seriam 4-1.
O melhor que o Pedro Gaspar pode conseguir é ser eleito vereador e tenho duvidas.


O melhor que o Pedro Gaspar pode conseguir é ser eleito vereador e tenho duvidas


O PS ofereceu de bandeja a disputa da Câmara ente a CDU e o Francisco Cunha,  com todos os problemas internos de disputa de lugares que existem no PCP e a capacidade de liderança e de comunicação que ele tem não deve ter grande dificuldade em ganhar as eleições. 

Noticia relacionada:

Fundo de resgate para as autarquias em situação de falência pode mutualizar as dívidas municipais

 O Governo está a preparar um fundo de resgate para as autarquias em situação de falência, o qual será baseado nos princípios da “mutualização da dívida e solidariedade intermunicipal”, avança   o JN, revelando ainda que a medida colocará um gestor em cada autarquia resgatada.

O Conselho de Ministros aprovou uma nova lei das finanças locais, na qual estará contemplado um fundo para resgatar as autarquias em situação de falência. Esse fundo de resgate, avança hoje o Jornal de Notícias, implicará uma “mutualização” das dívidas municipais e a nomeação de um gestor para cada autarquia que aceda a esse plano.
De acordo com o jornal, o fundo de resgate será constituído por verbas do Estado e municipais, de acordo com os princípios da “mutualização da dívida e solidariedade intermunicipal”. Quanto às verbas municipais, serão provenientes das receitas arrecadadas com o Imposto Municipal sobre Imóveis.
A nova lei das finanças locais obrigará ainda todas as autarquias, endividadas ou não, a terem as contas certificadas por um auditor externo, cuja nomeação competirá às assembleias municipais, complementa o Diário Económico.
A nível central, a regulação ficará a cargo de um conselho coordenador com elementos nomeados pelo Ministério das Finanças, pela Associação Nacional dos Municípios Portugueses e pela Associação Nacional de Freguesias.
«JN»

A diferença entre um candidato independente e um candidato partidário


 Aparentemente são dois candidatos comuns que concorrem às próximas eleições autárquicas, que se vão realizar no próximo ano mas na verdade existe uma enorme diferença entre as duas candidaturas ou os dois candidatos.
Para o candidato independente, Francisco Cunha (foto da direita) a candidatura é “unipessoal” e está nas suas mãos ou no seu “Staff” todo o trabalho para uma possível vitória ou derrota como ao candidato lhe compete definir toda a estratégia política.
 Para o  candidato militante de um partido ou que concorre em nome deste, como é o caso de Pedro Gaspar * (foto da esquerda) tem maiores responsabilidades porque que representa muito mais pessoas, muito mais militantes e muito mais simpatizantes.
 Representa um partido e a estratégia é delineada com base nos princípios do partido cuja derrota ou vitória o partido tem que responder.
* Pedro Gaspar é militante do Partido Socialista, o maior partido da oposição a nível nacional

Falências: Ano deve terminar com uma média de 52 insolvências por dia

 As falências em 2012 vão superar, em perto do dobro, as do ano passado. Só até 26 de dezembro foram notificadas mais de 18 mil insolvências de empresas ou particulares, com os tribunais a registarem uma média de 52 declarações de falência por dia.
 Este ano, até ao dia 26 de dezembro, foram confirmadas junto do Instituto Informador Comercial 18.627 falências de particulares ou de empresas. É uma subida de 62 por cento face ao ano anterior, que fechou com 11.515 processos, e de 174 por cento face a 2010. Significa ainda que, por dia, há 52 novos casos de famílias ou empresas que não têm bens para pagar o que devem.
Este brutal aumento das falências foi também visível no aumento das insolvências de empresas decretadas por tribunal. Os casos judiciais subiram 41 por cento, com especial relevo para o setor do comércio.
Ainda assim, as situações de particulares são as mais numerosas: 12.450 insolvências entre 1 de janeiro e 26 de dezembro, ou 67 por cento do total. Por regiões, é no norte que mais falências têm ocorrido.
«N/PT»

Jerónimo de Sousa deixa mensagem de confiança "na determinação e na luta" contra a actual política

 O secretário-geral do PCP deixou ontem, na mensagem de Ano Novo, "uma palavra de confiança na determinação e na luta do povo português para travar" o caminho "para o desastre" resultante da actual política governamental.
"Com tantos portugueses que vivem momentos de dificuldade e são vítimas de tantas injustiças, queria deixar uma palavra de confiança. Confiança na determinação e na luta dos trabalhadores e do povo português para travar este caminho para o desastre resultante desta política e deste Governo", afirmou Jerónimo de Sousa na sua mensagem.
 "Sim, este rumo para o desastre tem de ser evitado porque prosseguir esta política acrescentará mais desemprego, mais recessão, mais pobreza", alertou o líder comunista, salientando que um ano e meio após a aplicação do "pacto de agressão" verifica-se que "o país está mais pobre, mais endividado, mais injustiçado".
 Jerónimo de Sousa considerou que "há uma política alternativa", ou seja, "uma política patriótica de esquerda que recupere" a independência de Portugal.
 "Consideramos que é possível um futuro melhor, assim o povo queira", podendo contar com o PCP "sempre e sempre, para o ano que vem, nos anos que forem precisos", referiu.
«JN»

Hipertensão arterial

Por: Antonieta Dias (*)

Cerca de três milhões de portugueses sofrem de hipertensão arterial.
A hipertensão arterial é uma doença crónica, quase sempre silenciosa, caracteriza-se por um aumento crónico da tensão arterial sistólica e diastólica tem elevadas taxas de morbilidade e obriga a uma decisão terapêutica eficaz.
O diagnóstico da hipertensão arterial é feito quando um paciente apresenta três medições, confirmadas com intervalos de uma semana de valores de tensão sistólica acima de 140 mmHg ou uma tensão diastólica superior a 90 mmHg.
A etiologia da hipertensão arterial é de causa desconhecida na maior parte dos casos(85 a 95%), sendo designada por hipertensão essencial/hipertensão primária ou idiopática.
Considera-se hipertensão secundária (5-15%) quando a causa é conhecida, isto é, sempre que exista uma perturbação orgânica identificada como causadora da doença(por exemplo de etiologia renal ou hormonal).
Existem diversas patologias que podem ser responsáveis pela hipertensão arterial, destacando-se como as mais relevantes: hiperaldosteronismo, doença renal(nefropatias crónicas, glomerulonefrites, nefropatias hereditárias, pielonefrites, nefrite intersticial crónica), hipertensão gravídica, hipotireoidismo, reacções adversas a fármacos, tumores produtores de aminas biogénicas.
Sendo a hipertensão arterial uma patologia de grande prevalência na população em geral, estima-se que a incidência da doença seja de cerca de 20%, sendo que apenas 10%  dos hipertensos se encontram controlados.
Alguns estudos realizados revelaram que cerca de 50% dos doentes hipertensos  desconheciam a sua doença e nos pacientes já medicados metade tinham abandonado a terapêutica.
A hipertensão arterial não controlada está associada a múltiplas complicações graves, com comprometimento funcional multiorgânico nomeadamente acidente vascular cerebral, enfarte agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca congestiva entre outras.
A classificação de hipertensão arterial adoptada e publicada pela Sociedade Americana de Hipertensão através do VII relatório do Joint National Committee- Arterial Hipertension-JNC7, foi dividida em três categorias: normal, pré-hipertensão e hipertensão.
Determinou-se como normal a pressão sistólica <120 80="80" a="a" diast="diast" e="e" font="font" hg.="hg." lica="lica" mm="mm" mmhg="mmhg" o="o" press="press">
Assim tendo por base esta classificação determinou-se como:
Normal uma pressão arterial sistólica (PAS)<120 arterial="arterial" diast="diast" e="e" font="font" hg="hg" lica="lica" mm="mm" o="o" press="press">
Pré-hipertensão se os valores da tensão arterial estavam compreendidos entre 120-139 ou 80-89 mmHg.
Normal <130 e="e" font="font" mmhg="mmhg">
Normal alta 130-139 ou 85-89 mmHg
Considera-se Hipertensão:
Estadio 1
Se valores de tensão arterial compreendidos entre tensão arterial sistólica. 140-159 ou tensão arterial diastólica:  90-99 mmHg.
Estadio 2
Se valores de tensão arterial compreendidos entre tensão arterial sistólica 160-179 ou tensão arterial diastólica: 100-109 mmHg.
Estadio 3
Se valores de tensão arterial compreendidos entre tensão arterial sistólica >/=180 ou tensão arterial diastólica:  >/ =110.
A tensão arterial elevada é um factor de risco elevado, que pode ser minimizado se a intervenção terapêutica for criteriosamente instituída com fármacos eficazes que permitam controlá-la.
Para além da terapêutica farmacológicas devemos ter outras atitudes complementares para melhorar a eficácia do tratamento das quais destacamos as seguintes indicações:
Recomendações não farmacológicas que devem ser incentivadas nos doentes hipertensos:
1-      Estilos de vida saudáveis com modificações dos hábitos de vida;
2-      Redução do peso;
3-      Dieta hipossalina;
4-      Diminuição do consumo de álcool;
5-      Controlo da dislipidemia;
6-      Aumento da ingestão de potássio;
7-      Cessação tabágica;
8-      Promoção de actividade física regular;
9-      Eliminação de fármacos com efeitos anti-hipertensivo;
10-  Promoção de programas antistress.
O diagnóstico e tratamento atempado e adequado dos doentes hipertensos vai originar menos custos, reduzir os internamentos, diminuir os casos de invalidez(dependência de terceira pessoa) e reduzir a procura de assistência medica nos serviços de urgência.
Para melhor controlo dos doentes hipertensos consideramos de vital importância a:
1-Vigilância médica periódica com intervalos mais curtos(mensalmente) de reavaliação até estabilização dos valores da tenção arterial.
2-Ajustar a dose do medicamento ou de associação de anti-hipertensores até obtenção de resposta terapêutica adequada.
Muitas vezes estes doentes têm que ser tratados com mais do que um medicamento anti-hipertensor.
3-Esclarecimento claro dos pacientes, sobre as complicações que podem advir da não adesão ao plano terapêutico e da vantagem da manutenção da normalização da tensão arterial.
4-Envolver o doente na responsabilidade e cumplicidade do cumprimento das orientações médicas que lhe tenham sido propostas.
5-Investimento no tratamento das co-morbilidades quando associadas à hipertensão a fim de evitar riscos e diminuir a ocorrência de complicações clínicas (hipertrofia ventricular esquerda, insuficiência cardíaca congestiva, aterosclerose, vasculopatias periféricas, insuficiência renal).
6-Manutenção da vigilância de três em três meses ou bi-anual se parâmetros avaliados se mantiverem estabilizados.
Em suma, manter o doente hipertenso controlado, diminui a probabilidade de agravamento da disfunção dos órgãos alvo, mantém a estabilidade hemodinâmic , diminui os efeitos mórbidos destes pacientes nomeadamente a isquemia miocárdica ou os acidentes vasculares cerebrais.
Apesar de toda a investigação que tem sido feita e de todos os avanços obtidos no diagnóstico e tratamento a hipertensão arterial, continua a ser uma doença grave que conduz muitas vezes à morte.
De acordo com os dados fornecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a hipertensão arterial é a terceira causa de morte no mundo.
Os comentários sobre VII Joint publicados por Otávio Rizzi Coelho, descrevem que os dados recentes publicados pelo JVII Joint (The Seventh Reporto f de Joint Nacional Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and the Treatement of High Blood Pressure), recomenda a necessidade de combater eficazmente esta doença de forma a diminuir o risco cardiovascular que ela provoca.
Importa, ainda referir que o investimento na prevenção e tratamento atempado dos doentes hipertensos são essenciais para uma redução drástica das complicações da doença

(Doutorada em Medicina

Empresas e trabalhadores podem decidir sobre pagamentos em duodécimos

  O Executivo anunciou que as empresas e trabalhadores do setor privado poderão decidir, se quiserem, pelo pagamento de metade dos subsídios de férias e de Natal em duodécimos ou continuar no regime atual, indica a Lusa.
As empresas e trabalhadores do privado vão ter a liberdade para decidir se querem seguir a medida aprovada pelo Governo do pagamento de metade dos subsídios de férias e de Natal em duodécimos ou se querem manter-se no regime atual.

sábado, 29 de dezembro de 2012

"Rádio Nova Luna" apoia a candidatura de Francisco Cunha



A "radio nova luna" (de um alpiarcense)  vai estar com o  candidato Francisco J. Saturnino Cunha na candidatura independente para a  Câmara Municipal de Alpiarça
"olá alpiarcencses aqui esta uma radio de Alpiarça que é radio nova luna em www.ruivicencio.webs.com para voçes ............
Para ouvir basta cklicar em:
http://www.ruivicencio.webs.com/


Fé não lhe falta (a Francisco Cunha)

O empresário Francisco Cunha, que recentemente apresentou a sua candidatura independente à Câmara de Alpiarça às autárquicas do próximo ano, voltou a marcar presença na última sessão da assembleia municipal. No final, no período destinado às intervenções do público, pediu a palavra para falar sobre um assunto especifico.
http://www.omirante.pt/noticia.aspidEdicao=&id=55878&idSeccao=485&Action=noticia#.UN7tU-SpCbs

CRITICAS À GESTÃO DA AGROALPIARÇA: "João Duarte criou obra sem nunca receber um chavo de apoio governamental"

Uns e outros (PS e CDU) têm uma coisa em comum: são políticos.

Salvo raras excepções, de Norte a Sul, tudo onde se metem, empresas públicas incluídas, dá PREJUÍZO.
E não é por falta de dinheiros públicos a correr!
No 2º semestre de 2011, conforme Diário da República, 2.a série — N.o 58 — 21 de março de 2012 a Agroalpiarça recebeu 34.421 euros.
-A COOP. ALPIARCENSE DE FRUTAS E VINHOS COOP AGRICOLA PROD E COMERCIALIZ CRL:  49.066 euros
- Coopvinhal : 158 368,22 euros
- Mouchão do Inglês: 121 183,19 euros
Etc, etc,etc...(quem quiser pode consultar o D.R. mais abaixo publicado) 
Ou seja, o João Duarte criou obra sem nunca receber um chavo de apoio governamental, as cooperativas vão à falência ou vivem com dificuldades (!?!)
Ainda haverá quem defenda políticos em gestão de empresas quando a maior parte não tem hábitos de trabalho, ou sentimento de que as empresas são para dar lucro e não para alimentar mordomias?
É só ver as cooperativas que terminaram, deficitárias anos a fio, e depois de entregues a privados passam a dar lucros chorudos.
Noticia relacionada:
"AGROALPIARÇA:" qual foi a operação de marketing fe...":
 Poderá ler o Diário da República aqui:

http://dre.pt/pdf2sdip/2012/03/058000000/1042410548.pdf

Segundo o “Movimento Alpiarça é a Razão”: Portugal Está a Atravessar a Pior Crise



Que fazer? Que esperar? Portugal tem atravessado crises igualmente más: - mas nelas nunca nos faltaram nem homens de valor e carácter, nem dinheiro ou crédito. Hoje crédito não temos, dinheiro também não - pelo menos o Estado não tem: - e homens não os há, ou os raros que há são postos na sombra pela Política. De sorte que esta crise me parece a pior - e sem cura.

Eça de Queirós, in 'Correspondência (1891)'

Do: Movimento Alpiarça é a Razão

ACUSAÇÕES AO PCP: " fazerem limpezas nas suas fileiras, nem pensar"

Mais um caso das dezenas que se passaram em Alpiarça que o Partido Comunista deixará sem resposta!
Esse partido de gente séria e impoluta só trabalha e funciona nos mesmos sítios onde vivem as toupeiras, as baratas e os ratos e nunca aparece a falar ou a comentar todos os casos mal resolvidos e que são a vergonha da nossa terra.
A Câmara Municipal, a maior fonte de receita do Partido Comunista no Ribatejo, só assim se confirma a presença diária dum membro do Comité Central e da comissão politica e o interesse deste funcionamento na Agroalpiarça, acaba de lançar mais uma edição de propaganda eleitoral, com 4.000 exemplares, denominado Boletim Municipal e que nos custou a NÓS milhares de euros.
São bons enaltecer as limpezas, mas fazerem limpezas nas suas fileiras, nem pensar. As desavenças constantes entre o executivo e o Presidente da Assembleia Municipal e a Presidente da Junta, não são importantes? As demissões da Laurinda Osório da junta de freguesia, Vitória Brito e do assessor Marcelino do gabinete de apoio e Fernando Loureiro da Agroalpiarca, a população não tem que saber porquê?
Esta gente não assume os erros e o caso Vitória Brito, que nem é caso devido à importância da personagem, serve apenas para esconder os gravíssimos problemas que andam por ai.
Enquanto eles gastam e gastam o que os nossos pais e avós construíram, só pagamos alegremente salários chorudos e não só, para políticos incompetentes e dirigentes partidários, sem princípios e formação de qualquer ordem.
É caso para dizer "avante povo unido contra estes oportunistas que mandam na nossa terra".
Noticia relacionada:
"LEITOR CONVIDA: "que a militante Vitória entregue ...":

PS: Valor do défice confirma "fracasso" da "superausteridade" do Governo

 O PS defendeu que os números do INE hoje divulgados "confirmam o fracasso" das políticas de "superausteridade" do Governo, provando que o "caminho" de cortes nos subsídios dos trabalhadores e no investimento público não resolve o défice.
"Os números que acabámos de conhecer por parte do INE revelam e confirmam o fracasso do Governo no controlo do défice, as contas validadas pelo INE apontam para um défice de 5,6%. Estamos a falar de um resultado muito longe daquele que o Governo se propôs alcançar, que era de 4,5% no final de 2012", afirmou o deputado socialista Nuno Sá aos jornalistas, no Parlamento.
 O défice orçamental nos primeiros três trimestres do ano atingiu os 5,6% do produto interno bruto (PIB), de quase sete mil milhões de euros, valores em contabilidade nacional, a que conta para Bruxelas, indicou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).
 "As políticas seguidas pelo Governo PSD/CDS-PP de superausteridade têm tido efeitos devastadores do ponto de vista económico e social, portanto, não há um controlo do défice, que ainda agrava toda a situação que o país vive. É o falhanço absoluto deste Governo", sustentou.
 Nuno Sá apontou para os "dois aspectos da contabilidade nacional em que se verifica redução de despesa: redução de despesa com pessoal e redução do investimento".
 "A redução de despesa com o pessoal é decorrente dos cortes nos subsídios que o Governo fez e o corte do investimento público em cerca de dois mil milhões de euros, resulta de um corte profundo de 50 % no investimento público relativamente ao período homólogo", afirmou.
 "Este caminho de austeridade, de cortes naquilo que são os subsídios dos trabalhadores portugueses e de cortes no investimento público, provocando mais recessão e mais queda da nossa economia, não resolvem o problema do défice", considerou.
 O deputado socialista argumentou ainda que, ao contrário do que defenderam PSD e CDS-PP enquanto estavam na oposição, de que era possível consolidar as contas públicas nacionais sobretudo por via dos cortes nos consumos intermédios, estes consumos "cresceram 70 milhões de euros, 1,3%".
 "Portanto, o Governo não está a fazer aquilo que prometeu aos portugueses. Os cortes estão a ser feitos nas pessoas e na economia", sublinhou
«JN»

ESCLARECIMENTOS DOS CANDIDATOS: "Senhores candidatos ganhem coragem e convoquem os Alpiarcenses"

Para começo de conversa, e falo por experiência própria, a verdadeira sondagem só será realizada quando for finalizada a contagem dos votos nas diversas assembleias de voto.
Pode-se dizer que é como dizia o outro prognósticos só no fim do jogo!
Mas até lá vai acontecer a pré campanha e a campanha eleitoral e por isso é que julgo que os candidatos já se deveriam ter pronunciado sobre as questões que fazem "a manchete" deste jornal!
Todos os potenciais eleitores ficariam, com certeza, mais esclarecidos se estes candidatos nos dissessem o que pensam da construção da nova praça junto à Câmara, das obras previstas para o Museu dos Patudos e agora da polémica do Patacão!
Senhores candidatos ganhem coragem e convoquem os Alpiarcenses para lhes dizer, olhos nos olhos e não através de folhas de papel, que quase já ninguém lê, o que pensam sobre esses temas e, como as conversas são como as cerejas, aproveitavam para explicar como modernizavam a gestão da AgroAlpiarça, como agilizavam a gestão municipal de forma a ter mais receita e menos despesa, como dinamizavam o concelho promovendo a economia e o emprego.
Ou será que estão à espera do futuro agrupamento de municípios de Almeirim, Alpiarça e Chamusca para não terem nada a esclarecer e só criticar o aparecimento deste agrupamento?
Coragem candidatos porque o povo precisa de ser esclarecido e está curioso e na ponta da sua caneta está a vossa vitória, não a de Brito, ou a vossa derrota!
 Noticia relacionada:
 "SONDAGENS: "Francisco Cunha será o próximo preside...":

AGROALPIARÇA:" qual foi a operação de marketing feito ao longo de 12 anos?"

Já agora gostaríamos de saber qual foi a operação de marketing feito ao longo de 12 anos pelos camaradas do PS.
 É que se tudo é do tempo de João Duarte, então ninguém que por lá passou fez obra.
Talvez seja altura de passar a gestão da AgroAlpiarça para o PSD e CDS, ou então entregar os terrenos aos herdeiros dos verdadeiros donos das terras. 
Sem deixar de lado a hipótese de entregar a gestão da empresa à delegação da Troika. 
É que ao que consta, só estes últimos conseguem gerar lucros. 
 Quanto mais não seja para eles próprios com os juros de agiotas encartados. 
 Noticia relacionada:
"CRITICAS: "incapaz de enxergar um palmo à frente d...": 

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

LEITOR CONVIDA: "que a militante Vitória entregue o cartão no partido"

Hoje disseram-me para aqui vir ver este post ("ESCLARECIMENTO DE VITÓRIA MARIA BRITO":)
Ao ler o mesmo só retive o paragrafo seguinte:
"Trabalhei muito para a CDU ganhar, nunca trabalhei a troco de promessas, convidaram-me para o GAP e eu aceitei." 
Cara Vitória Brito, convidaram-na porquê? 
Pela sua competência?
 Pela sua experiência? 
Para a gratificar pelo trabalho prestado ao seu partido?
 Então se foi pela última questão, porque pelas outras duas não foi certamente, porque hoje abandonou os seus camaradas e deixou todas as tarefas do seu partido?
 Se era assim tão boa militante que merecesse o lugar!
Essa não pega Vitória.
Mentir é feio e fica muito mal a um militante do PCP mentir, mesmo sabendo que nenhum dos nomes que nomeou nunca aqui virão desmenti-la por respeito ao partido que militam e nunca dirão publicamente nada que a enxovalhem.
Então permita-me que lhe diga: se é militante respeite o cartão que exibe ou então seja MULHER e vá entregá-lo.

O ambiente vai “péssimo” na “Silvestre Bernardo Lima”

Segundo um comentarista (ler  "ESCLARECIMENTO DE VITÓRIA MARIA BRITO") Joana Serrano, presidente da Junta de Freguesia deixou de “merecer a confiança dos iluminados comunistas” o que já é público mas acrescenta o mesmo que a “coisa está a ficar bonita para os lados do PCP” isto é: “está a ficar feia” porque com a saída de Mário Santiago e o abandono para com Joana Serrano resta-lhes, ao PCP, o “bastião camarário” razão para os comunistas defenderem com “unhas e dentes” aquilo que pensavam ganhar nas “eleições” como “pêras contadas”, mas agora com o inesperado aparecimento de candidatos independentes obriga-os,aos comunistas, a “repensar novas estratégias”E, porque nunca se sabe o dia de amanhã, até, segundo o comentarista, Emídio Sardinheiro já começou a “reaproximar-se dos velhos camaradas” coisa que se calhar tinha deixado de acontecer porque o camarada Emídio deve andar a reconstruir a máquina partidária como se alguma vez tivesse sido destruída, de tão bem estar entregue a quem o governa.
Tudo isto porque o “dito cujo” leu na integra o esclarecimento de Vitória Brito onde são desvendadas algumas decisões internas da Concelhia do PCP o que tem feito com que muitos leitores não entendessem o que foi escrito para pensarem que o ambiente vai péssimo na Rua Silvestre Bernardo Lima, como se: por ali, nos últimos meses, esteja tudo calmo.
Na verdade até consta que muito vai acontecer e mudar ao ponto de João Osório estar “desautorizado” a pronunciar-se no que quer que seja, nomeadamente na “praça pública”, porque a estratégia e o segredo é a "alma do negócio".
Os tempos que se aproximam vão ser de “luta” e mais agora que João Serrano bateu com as portas na “cara de Mário Pereira (ESCLARECIMENTO DA AIDIA) enxovalhando publicamente o partido a quem tanto deu.
Como alguém disse: " a guerra vai começar dentro de momentos" 
L.A.

TORNADO PÚBLICO: " os membros da concelhia do PCP quando não gostam ou não concordam apenas ignoram"


Ficamos a saber através da declaração de Vitória Brito, que os membros do Secretariado da comissão concelhia do PCP, que quando não gostam ou não concordam ignoram.
"Os políticos sabem que o interesse geral, por ter benefícios que se dispersam por toda a população, é muito menos mobilizador que os interesses particulares. Por isso optam por ignorar o interesse geral e por conceder privilégios aos grupos que se mobilizam por interesses particulares."
Em nome do povo e da vanguarda da classe operária implementam as suas políticas totalitárias. 

Noticia relacionada:
"PROPOSTA: "Fundos que teriam vindo para o famoso P...":