.

.

.

.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Trabalhos de recuperarão da ponte em madeira da albufeira dos Patudo

Foto: CMA

Pedro Gaspar vai iniciar no próximo domingo a ‘Campanha Porta-a-Porta’

Pedro Gaspar (foto) o candidato do PS a presidente da Câmara Municipal depois da inauguração da ‘Sede de Campanha” do movimento ‘Mais Alpiarça’ vai iniciar a “Campanha de Porta-a-Porta’ com as respectivas equipas de apoio para dar a conhecer à população as ‘linhas mestras” do seu programa eleitoral.

É já no próximo domingo, dia 2 de Junho, pelas 17 horas, que o movimento ‘Mais Por Alpiarça’ vai inaugurar a sua sede de campanha situada na Rua José Relvas n.º 151.

Durante o acontecimento será também apresentada a ‘Comissão de Honra’ bem como os elementos que irão compor as listas de candidatos à Assembleia Municipal, Câmara Municipal e Assembleia de Freguesia para seguidamente ser apresentado aos presentes o projecto que irá colocar Alpiarça no rumo certo para além de dar a conhecer o seu programa eleitoral.

Depois será então iniciada a campanha de porta-a porta a fim de dar a conhecer à população as linhas gerais daquilo que os socialistas pretendem levar a efeito caso sejam eleitos.

Esta acção irá durar praticamente até à realização das Eleições Autárquicas

A Câmara Municipal de Alpiarça seria digna de um louvor

Muito se trabalha. Muito se corre em tempo de eleições. Imaginemos que ao longo dos quatro anos de mandato se trabalhava desta maneira! A Câmara Municipal de Alpiarça seria digna de um louvor, sem qualquer sombra de dúvida. Ainda vamos assistir também à erradicação das lixeiras a céu aberto (atenção àquela junto à escola José Relvas) que teimam em permanecer no concelho de Alpiarça, apesar das intensas críticas que têm sido feitas através dos meios de comunicação locais, desde há anos a esta parte.
Afinal, este lufa-lufa, esta azáfama de homens, máquinas e autarcas na rua, só vem provar que, não obstante as limitações que a crise impõe, é possível fazer muito mais e melhor pela nossa terra.

Pena que este arregaçar de mangas tenha sido acentuado apenas no começo do mandato e no final do mesmo, para mostrar serviço e dizer aos eleitores que estão presentes e prontos para prosseguir o trabalho.
Alpiarça precisa desse entusiasmo sempre e de modo contínuo.
Assim, com malabarismos políticos e manobras eleitoralistas, não vale.
Somos mais pelo “terra a terra” e pelo modelo honesto e simples de governação. Exemplo: Câmara Municipal da Chamusca, com todos os seus defeitos e virtudes. Por isso lá está o grande Sérgio Carrinho, um verdadeiro dinossauro da política, Presidente da Câmara há mais de trinta anos (!) consecutivos. 

Aproveito para enviar um grande abraço ao Sérgio Carrinho neste seu último mandato ao serviço do município do Concelho da Chamusca.

Em boa verdade, depois de uma vida de inteira dedicação à causa pública, já merece descansar.
Por: Xico Frade
Noticia relacionada:
"Travessa das Aires": 

Francisco Cunha continua a ser o mais 'procurado'


A noticia FRANCISCO CUNHA apresenta candidatos e ‘rouba’ António Moreira ao PS/Alpiarça e as razões da escolha de António Moreira para vice-presidente das listas do candidato do movimento ‘Todos Por Alpiarça’ está a ser a noticia mais procurada pelos leitores do JA destronando para segundo lugar Sónia Lázaro: "olha de soslaio" para Gabriela Coutinho que bastante polémica e espanto causou nos leitores que não compreenderam o ‘distanciamento’ entre Sónia e Gabriela Coutinho, também este última apoiante de Francisco Cunha

PARQUE DE CAMPISMO DE ALPIARÇA IRÁ REABRIR ESTE VERÃO



1ª FASE DO PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALTO DO CASTELO / QUINTA DOS PATUDOS
A Câmara Municipal de Alpiarça aprovou recentemente a Concessão do Direito de Exploração do Parque de Campismo de Alpiarça, na sequência do Concurso Público que tinha sido aberto para o efeito.
Os trabalhos de recuperação do espaço do Parque de Campismo e de construção de infra-estruturas exigidas pelo Caderno de Encargos do Concurso Público estão já a ser realizadas pela empresa concessionária, estando perspectivada a reabertura para o início da época alta de Verão.
A recuperação/requalificação e a reabertura do Parque de Campismo é a 1ªfase na concretização do PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALTO DO CASTELO / QUINTA DOS PATUDOS, cuja prossecução passará pelo aproveitamento de todo o restante espaço, através da criação de um CAMPO DE DIVERSÕES E AVENTURA, no que será um importante contributo para a criação de emprego e para o desenvolvimento económico e social do Concelho.
Assim, logo que existam condições económicas e financeiras que permitam a capacidade de investimento público e/ou privado, serão desenvolvidos outros investimentos no Complexo para actuar em complementaridade com o novo Parque de Campismo e com os outros equipamentos existentes, optimizando o aproveitamento turístico, paisagístico, natural e desportivo do Complexo na sua globalidade traduzido numa oferta diversificada.
«CMA»

Travessa das Aires


Trabalhos de colocação de saneamento, construção de passeios para posterior pavimentação da rua. Trabalhos por administração directa do Município.
«CMA»

(Não) perspectivas?

Por: Anabela Melão
 Estamos todos a coberto de uma nostalgia nunca antes ensaiada, nunca antes experimentada, apanhados num turbilhão de uma crise de valores transversal à sociedade e que toma vida própria, como um fantasma, no dia a dia de todos nós.
Há quem entenda que a crise que o país atravessa se deve ao estilo de vida dos portugueses, que teriam adoptado uma "vida de cigarra" em vez de uma "vida de formiga", desde que entrámos no euro. Somos muito dados a essa “coisa” extraordinariamente portuguesa que é a saudade e o fado, e isso pode ter-nos impelido para algumas cantorias que pagamos a preço de oiro (basta ver as lojecas que proliferam, como coelhos, como cogumelos, a cada esquina).
Mas esta devastadora crise não é de hoje. Desde 2001 que Portugal cresceu a pouco mais de 1% ao ano, situando-se muito abaixo da taxa de crescimento dos países que, até aí, rivalizavam connosco, mais ou menos em pé de igualdade, na União Europeia. Nesse período, a Grécia e a República Checa cresceram cerca de 4% ao ano, a Eslováquia 6% ao ano e os países bálticos mais de 8% ao ano. No ranking do PIB per capita, Portugal foi ultrapassado pela República Checa em 2005 e em 2008 foi ultrapassado pela Eslováquia e pela Estónia. E, a partir daí, é o descalabro conhecido!
Estudos feitos confirmam que Portugal irá pagar, nos próximos dez anos, o compromisso de amortização de uma dívida que, a breve prazo, chegará ao triplo do que se pagou em 2012. Trata-se, cada vez mais o admitem, de uma dívida impagável. As manifestações a que hoje assistimos não são mais que o produto de uma mobilização de indignação que, em última linha, chegam mesmo a questionar as razões da democracia!. A falta de alternativas sólidas da esquerda à direita oferecem-nos discursos baralhados, a começar pelas hipóteses de coligações pelo PS à sua direita, descaracterizando, assim, os eleitorados do PS e do CDS-PP. Se a crise vale para ultrapassar estes dogmas, pode ser que sim, desde que ambos comunguem de uma mesma ideia: contra a dívidadura, marchar, marchar!
Um estudo da Ernst & Young conclui que o fosso entre economias prósperas e os países em crise da zona euro vai agravar-se nos próximos três anos, apontando para um crescimento da Europa a duas velocidades e colocando Portugal está no grupo dos países em velocidade lenta. O mesmo estudo confirma que o crescimento da Espanha, Grécia, Irlanda, Itália e Portugal, até 2015, não irá além de 0,5%, por contraponto ao progresso de 9% que os restantes 12 países da zona euro deverão registar. Ora, o ritmo de crescimento lento, a par com a quebra no investimento público, taxa de desemprego elevada e recuo no consumo público e privado são alguns dos indicadores que definem um país “pobre”, o que significa que, sendo visível o fosso entre países relativamente prósperos do norte da Europa e os países em crise do sul do continente prosseguirá, Portugal continuará a ser um dos países mais desiguais do mundo desenvolvido, sendo aquele que a desigualdade é das mais acentuadas entre as economias europeias. Em suma, reúne as condições para ser classificado com um país pobre. Secundando, assim, um outro estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) “Divided We Stand: Why Inequality Keeps Rising”, que demonstrou que o fosso entre ricos e pobres em Portugal atingiu o nível mais elevado dos últimos 30 anos, provando que os 20% mais ricos têm rendimentos seis vezes superiores aos dos 20% mais pobres.
A par deste cenário catastrófico, o consultor Jack Soifer defende que Portugal tem um "potencial gigantesco para poder sair da crise" se aumentar as exportações e diminuir as importações, mas salienta que essas potencialidades ou recursos "não estão nas cidades, mas sim nas zonas urbanas e no mar", lembrando que a maioria dos portugueses desconhece, por exemplo, que "os grandes produtores especializados de flores, árvores bonsai, pimentos e flor de sal estão em Portugal".
Gosto especialmente desta referência ao mar. A esse mar que já nos fez ser tudo e de que hoje ninguém se lembra ou valoriza, depois de termos assistido, obedecido, impávidos, às ordens de Bruxelas que culminaram na destruição do sector das Pescas.
E quando vejo este imenso mar, quando choro o meu amado País, lembro sempre, triste e desencantada que esquecemos o que fomos e o que somos. “Ó mar salgado, quanto do teu sal. São lágrimas de Portugal!”

ANTÓNIO MOREIRA: uma vitima do PS/Alpiarça


É incrível aquilo que ouvi sobre a dita SMS vinda do PS para o Sr. Moreira. Linguagem daquela ofensiva como foi devia ser publica para que todos os alpiarcenses percebessem quem é esta gente que governou Alpiarça durante 12 anos.
O Sr. António Moreira, tendo feito uma opção que foi juntar-se a outra candidatura só demonstrou tal como outros que se juntaram a ele que não é burro e não é seguidista como outros que se sujeitam a tudo só por causa do tacho.
Espero bem que o Moreira demonstre ao seu antigo patrão de partido que os eleitores não pactuam com gente deste calibre e que em Setembro ou Outubro deste ano, atirem o PS para fora do mapa autárquico de Alpiarça de uma vez por todas.

Noticia relacionada:
"DECLARAÇÃO DE UM MILITANTE SOCIALISTA": 

Os símbolos partidários

As coisas começam a compôr-se em termos partidários para as eleições à Camara Municipal de Alpiarça. O mais provável é serem os três partidos e ou coligações de sempre que irão surgir no boletim de voto. Mais uma vez não existe uma candidatura de independentes, apesar de inicialmente as pessoas acreditarem que isso desta vez seria possível. Não foi.

Assim vão apresentar-se ao eleitorado de Alpiarça as seguintes forças partidárias:
A CDU que tem como primeiro candidato Mário Pereira.
O PS com Pedro Gaspar.
O PSD com Francisco Cunha e António Moreira.
Penso que serão estes os simbolos partidários principais que irão ser postos no boletim de voto em Alpiarça.Se não fôr assim agradeço a devida correção das partes envolvidas.
Assim a população de Alpiarça mais uma vez deverá ter que pôr a sua cruzinha de voto ou na CDU, ou no PS ou no PSD.Como aliás quase sempre tem acontecido na nossa terra. Por isso, parece que nada de novo nos trará o novo periodo eleitoral, a não ser que o CDS ainda se apresente a votos ou se junte ao PSD, que é uma situação que será possível pois já estão juntos na coligação que governa o país há 2 anos.
Por: O.V.

OPINIÃO: o lado em que se encontra o António Moreira que todos conhecem pessoalmente em Alpiarça


 Penso que é importante participar na discussão pública do que se passa em Alpiarça. Não nos devemos excluir de intervir na nossa democracia, e não nos devemos esconder encolhendo os ombros, deixando passar ao lado situações que poderão dizer muito sobre o futuro da vila. Bem sei que no limite a escolha faz-se nas urnas, mas até lá clarificam-se as ideias.
Felicito-o pela iniciativa e participação, mas peço-lhe que seja sempre correcto nas observações, e permita-se desenvolver alguns comentários sobre o sucedido. 
No seu texto detectei algumas imprecisões relacionadas com a sua apreciação do processo eleitoral, que a meu entender não se concentra apenas no escrutinio. Muita coisa se passou antes que deixou muita gente aborrecida, e mais uma vez houve quem se afastasse do partido a “ralhar” com os prevaricadores.
Relativamente ao aparecimento de elementos destacados e outros menos destacados numa outra lista, algumas pessoas indignaram-se com tamanha audácia, outros ficaram incrédulos e revoltados pela forma como se recusaram a atender à vassalagem partidária instituída. 
Muitos, mas mesmo muitos admiraram o acto de coragem que quebrou com os poderes instituídos e as amarras pseudo-moralistas impostas por uma sociedade politica que vive da aparência, e não do trabalho, salvo as devidas excepções, e eu ainda conheço algumas (plural) . Estes personagens da vida politica Alpiarcense apelidados de traidores no anonimato não ofenderam ninguém nem tão pouco maltrataram o seu semelhante, seguiram apenas as suas convicções. Uma coragem a louvar.
Quanto ao colocar a Dra  Sónia Sanfona e o Dr. Joaquim Rosa do Céu em pratos opostos na balança, em que cada um carrega o seu peso para apoiar um dos lados, devo lembrar-lhe que um dos elementos visados nem chegou a subir para a balança, por isso, a referida situação de medição de forças e pesos nunca chegou a existir, porque houve quem se auto-excluísse desse acto.
Quanto à mensagem, que lamento que ande a circular por aí, e se a recebeu efectivamente, irá notar que o seu conteúdo ofensivo foi apenas numa direcção e não em ambos os sentidos.
Sobre a mesma apenas me apetece dizer uma coisa: há uma linha que separa os Homens de Bem e os Homens de Mal, e essa linha chama-se Atitude.
Não será preciso dizer de que lado se encontra o António Moreira que todos conhecem pessoalmente em Alpiarça.

Noticia relacionada:
"DECLARAÇÃO DE UM MILITANTE SOCIALISTA": 

quinta-feira, 30 de maio de 2013

PILANTRAS: "Foi, é e vai continuar a ser assim, em terras do Faz-De-Conta"


O povo português, como disse o ministro Vítor Gaspar, é o melhor povo do mundo. Caramba!
Ao fim de quase quarenta anos, ainda tem o coração aberto para receber cravos e promessas trapalhonas dos políticos sem vergonha. Falo na generalidade dos políticos e de toda a casta que gravita ao seu redor,como é evidente.
Um bando de interesseiros e oportunistas pendurados em partidos, cujo objectivo principal não é a causa pública mas sim a causa deles próprios.
É vulgar ouvir expressões como esta:"Vão trabalhar malandros! E deixem de sugar quem realmente trabalha!".
Se fosse para bulir no duro e ganhar o ordenado que a maioria dos portugueses ganha, e ter a reforma que a maioria dos portugueses tem, se calhar não haveria nenhum deles a concorrer para os tachos de cariz político. Deixariam no primeiro momento, de estar interessados na causa pública.
Faço aqui uma ressalva ao mesmo tempo que presto aqui a minha homenagem ao senhor Joaquim Matias (já falecido), ao senhor Fernando Loureiro entre outros alpiarcenses que, esses sim, serviram abnegada e desinteressadamente a causa pública. Serviram o Município de Alpiarça sem quaisquer interesses monetários. Serviram apenas por dever e compromisso de cidadania.
O termo "Democracia" tem servido de capa a todo o tipo de malandragem que em má hora nos assolou. De pilantras que se apoderaram de bens públicos que, são afinal de todos nós. Todo o nosso património: moral, material e identitário está a levar sumiço por causa de um bando de canalha desonesta e incompetente que nos assaltou a Pátria e consequentemente a nossa casa. É sabido que o que temos, o que conseguimos com o esforço do nosso trabalho, já nada é nosso. Tudo foi hipotecado ao capital estrangeiro, como se alguma vez tivessemos contraído dívidas pessoais ou sido fiadores de alguém.
Afinal onde estão os profissionais da política, os governantes, os responsáveis pelos destinos de Portugal e dos portugueses? Quem foram os vendedores de sonhos e sociedades ideais?
Onde estão os ratos de sarjeta e os papagaios de charneca que tomaram conta da pátria portuguesa nos últimos 39 anos?
Já sei. O caso foi arquivado e vai ser encerrado por falta de provas contra os presumíveis autores.
Foi, é e vai continuar a ser assim, em terras do Faz-De-Conta.
Por: F.M
Noticia relacionada:
 "‘Mais Alpiarça’ vai apresentar o seu programa elei...": 

DECLARAÇÃO DE UM MILITANTE SOCIALISTA

Sou um leitor assíduo deste Jornal/Blog mas é a primeira vez que escrevo.
Quero aqui declarar que sou militante do Partido Socialista, e que participei sempre activamente em todos os actos eleitorais, quer sejam autárquicas ou outras. Conheço bem quase todos os intervenientes aqui descritos e envolvidos nestas eleições, e não posso deixar de fazer algumas considerações sobre algumas verdades e barbaridades que tem sido ditas.
- É uma barbaridade afirmar que as eleições internas do PS não foram bem conduzidas ou que foram "sujas". O presidente da concelhia era o Moreira, que a meu ver durante o período que esteve nesse cargo desempenhou o com competência, e foi ele que conduziu as eleições, e bem, apoiou um candidato, a Regina. O problema começa exactamente aqui, já que na altura o Coordenador Distrital para as Autárquicas era o Rosa do Céu que toda a gente sabe que manda no PS Alpiarça, ou pelo menos era…ou pelo menos vai deixar de ser…
Rosa do Ceu
Ambos os candidatos não queriam ser numero dois e apressaram-se a reunir apoios, e principalmente a reunir o apoio do Rosa do Céu, que neste caso escolheu apoiar o Pedro. 

Note-se que toda a família, menos o Manuel Miranda apoiou o Pedro, e isso significa quatro votos, em trinta e três votantes.

Ganhou o Pedro com 17 contra 15, ou seja houveram 15 pessoas a votar na Regina. Não é isto democracia? 

É alguém capaz de me explicar com o mesmo detalhe o que foi antidemocrático e “sujo”?

- Ao longo dos anos verifiquei que onde aparece Rosa do Céu e Sónia Sanfona, aparecem problemas. Sim porque a Regina avançou para a candidatura nas eleições do PS por pressão da Sónia, e o Pedro por pressão do Rosa do Céu. Mas meus caros tudo isto é politica... 

- Ao longo dos anos verifiquei que onde aparece Rosa do Céu e Sónia Sanfona, aparecem problemas. Sim porque a Regina avançou para a candidatura nas eleições do PS por pressão da Sónia, e o Pedro por pressão do Rosa do Céu. Mas meus caros tudo isto é politica... 
- Tachos para todos não há, nunca houve, e há sempre aqueles que se “esgatanham” a procura de…caso do Manuel Colhe indicado pelo Rosa do Céu para candidato a Vereador, caso do Moreira convidado pelo Pedro para candidato a Presidente de Junta, caso de tantos outros nome mas ninguém vê por exemplo o Marques Pais que rejeitou um convite para a junta de Freguesia a convite do Pedro, apoiar outra candidatura…é uma questão de principio democrático.
Sónia Sanfona
Alguém entende como é que um funcionário do PS/Rato com boas “regalias” ou um Coordenador Distrital Autárquico podem apoiar candidaturas independentes ao mesmo tempo que discursam em prol do seu Partido? 
Lamento profundamente que no PS/Alpiarça hajam elementos que não cumpram regras, não regras partidárias, mas de liberdade e de igualdade e constato que o Presidente da Distrital do PS não é tão decidido a por ordem na sua casa como é a discursar em altos berros, mas é o que temos…
- Lamento profundamente que um militante do PS/Alpiarça vá agora apoiar uma candidatura independente, mas respeito a decisão do Moreira.
- Mensagens sempre houve, já vem do tempo da outra senhora, mas a mensagem apareceu no meu telemóvel esta semana foi desumana…
O Moreira não é um ser rastejante, é um ser humano, e o Rosa do Céu não é invertebrado, por isso meus senhores e senhoras, dou-vos um concelho de amigo, entreguem o vosso cartão de militante do Partido Socialista no Largo do Rato, demitam-se dos vossos tachos de “regalias”, e assim o Moreira e a Sónia podem continua a apoiar o Francisco Cunha, e o Rosa do Céu continuar a apoiar o Paulo Varanda na candidatura independente à Câmara do Cartaxo.
- O PS/Alpiarça continua vivo e viverá após a era Rosa do Céu, Moreira, Sónia Sanfona e Pedro Gaspar
- Quero deixar ainda dois alertas, vou continuar a escrever a minha opinião pela verdade quer os intervenientes gostem ou não, e não me identifico, já que neste Blog apenas o António Centeio o faz . 

Noticia relacionada:
"Está montada a 'campanha anti-Moreira'": 

JOÃO SERRANO: Soma e segue

“Coordenado pelo Instituto Politécnico de Santarém o projecto da Cultura Avieira continua a dar passos importantes na promoção de um modelo de desenvolvimento fundamentado na cultura Avieira. O 1.º cruzeiro religioso dos Avieiros e do Tejo que está a descer o rio desde Constância até Lisboa está a ser um sucesso. Termina no próximo sábado com passeio oferecido pela Transtejo” o suficiente para João Serrano, Coordenador do projecto da Cultura Avieira ter levado com a atribuição  de ‘5 estrelas’ dadas pelo semanário ‘O Ribatejo’

MAIS Lezíria de volta com Futebol Sete Veteranos


Aprovado Rectificativo "sem aumento de impostos" nem folgas

 Governo diz que não há folgas no Rectificativo hoje aprovado em conselho de ministros.
No ‘briefing' posterior à reunião semanal do Executivo, o ministro da Presidência avançou que "não há aumentos de impostos" no documento hoje aprovado e que será entregue "amanhã de manhã" ao Parlamento.
Primeiro Marques Guedes, e depois Luís Morais Sarmento, destacaram a "particularidade" do Rectificativo ter sido desenhado entre o chumbo do Tribunal Constitucional a medidas avaliadas em 1,3 mil milhões de euros e o desfecho da sétima avaliação regular da ‘troika'.
O secretário de Estado do Orçamento assumiu mesmo que os riscos de execução aumentaram com a decisão do Governo de responder ao chumbo Constitucional com "poupanças internas" e que a pressão acrescida sobre os eliminou a folga inscrita na primeira versão do orçamento. "A reserva orçamental que estava prevista no Orçamento [do Estado de 2013] teve que ser eliminada", confessou.
Em relação à possibilidade de o Governo ter de apresentar um segundo Rectificativo, Luís Morais Sarmento argumentou que o cenário macroeconómico do documento hoje aprovado é o que saiu da sétima avaliação regular da ‘troika' - queda de 2,3% do PIB e desemprego de 18,2% este ano. "[O cenário] está perfeitamente actualizado e não carece neste momento de qualquer alteração nesta matéria", afirmou. 
Sobre o mesmo assunto, e comentando as previsões da OCDE divulgadas ontem para Portugal, e que aponta para uma contracção de 2,7% do produto, Marques Guedes argumentou que essa estimativa não contempla as medidas que constam do Rectificativo.
«DE»

O candidato Francisco Cunha já desafiou os candidatos opositores para debates

Não faço como alguns apoiantes de outras forças políticas que passam a vida a acusar, sem quaisquer provas, de "saudosistas do passado", "aldrabões", "vigaristas", e outros mimos sem qualquer justificação.
O seu comentário, que pretensamente mostra indignação por "comentários de baixo nível", é mais um que assim pode ser classificado.
Porquê?
Porque ACUSA uma candidatura que se limitou a ser apresentada de ser a responsável por tudo o que se passa de mau nesta terra.
Vejamos por palavras suas:
1- "O que é que veio de bom para Alpiarça com esta candidatura?"
Não sabemos. É um direito democrático que partidos ou grupos de cidadãos se apresentem aos eleitores para por estes ser julgado.
O bom ou o mau será visto se a candidatura for vitoriosa e se o trabalho desenvolvido for relevante.
Até lá, é uma candidatura com tanto direito como outra qualquer.
Se os alpiarcenses lhe derem a vitória, passados 4 anos farão o julgamento.
2- "Só desunião entre os alpiarcenses".
Uma opinião como outra qualquer. Para já conseguiu reunir na mesma lista pessoas que integradas num partido nunca aceitariam partilhar a mesma lista.
Quem há muito é conhecido por criar grupinhos, trabalhar em círculo fechado e levar ao afastamento de quem com não se identifica com essa linha política, não é precisamente esta candidatura.
Não é difícil perceber quem...
3- " depois também apareceram comentários desprestigiantes para com o cabeça de lista, porque as pessoas também têm direito a ficar vexadas com tamanha presunção vinda de quem vem, ainda por cima conhecendo a folha de serviço da pessoa"
A grande hipocrisia do seu comentário.
Os comentários desprestigiantes não apareceram DEPOIS, nem foram apenas para o cabeça de lista.Foram para os elementos mais destacados da lista. Começaram desde que a candidatura estava em embrião.
Devia identificar-se, e explicar qual a "folha de serviço" da pessoa. Com provas, factos, números.
É que os leitores podem ficar sem saber se a "folha de serviço" é algum crime punível por lei, se é responsável por algum crime de roubo, pedofilia ou terrorismo.
Se for algum desses ou outro punível por lei, é cobardia não apresentar queixa às autoridades competentes.
Se não é, devia abster-se de fazer comentários, esses sim, de BAIXO NÍVEL.
4- "Mas fazer politica não se pode resumir a fazer conversas no largo dos águias, a mandar umas larachas e a lançar a confusão neste blog "
Talvez o comentador, como OPOSITOR, queira informar o que deve fazer o candidato. Fazer "conversas" permitiu-lhe apresentar uma lista de pessoas reconhecidas pela população. Permitiu-lhe abrir um espaço num sítio nobre de Alpiarça, e permitirá certamente a apresentação de um programa vencedor e que não se baseie em promessas inviáveis.
Vai deixar essa tarefa a outros, e à semelhança do que tem sido a política em Alpiarça.
A "confusão" lançada neste blog tem se limitado a responder à letra a comentários, esses sim, de baixo nível, baseados em suposições e em julgamentos sem oportunidade de defesa.
O candidato Francisco Cunha já desafiou os candidatos opositores para debates.
Se houvesse matéria factual para acusação, que melhor oportunidade haveria para o desmascarar aos olhos dos eleitores?
É que num frente a frente, olhos nos olhos, as acusações e adjectivos com que qualificam os apoiantes desta lista teriam de ser provados e não lançadas hipocritamente sob o anonimato.
Este será mais um comentário provavelmente classificado de "baixo nível" porque não permite que a hipocrisia política fique impune e fique sem resposta.

(faço notar que este comentário é pessoal, não é vindo da candidatura, nem de nenhum candidato ou apoiante activo da mesma)
Noticia relacionada:
 "O marasmo a que os políticos locais nos amarram": 

Funcionários públicos podem ter de trabalhar 12 horas por dia

O aumento do horário na Função Pública de 35 para 40 horas sem ganharem mais por isso, que está previsto na proposta do Governo enviada aos partidos e aos parceiros sociais, significa que nalguns casos o tempo de trabalho dos funcionários do Estado chegue às 60 horas semanais, indica o Diário Económico.
A proposta do Governo para aumentar o número de horas de trabalho dos funcionários públicos vai mexer também com o limite da adaptabilidade de horários que já permitia 50 horas por semana.
Caso as 40 horas semanais passem a ser a regra no Estado, a adaptabilidade dos horários terá de ser adequada à nova realidade, o que significa que o período de trabalho de alguns funcionários possa chegar às 12 horas por dia, com a devida compensação, em vez das actuais 10 horas previstas neste âmbito.
Estes limites de horas no regime de adaptabilidade já existem no privado, passando agora para a Função Pública, sendo mais uma medida que contribui para a convergência dos dois regimes.
De qualquer forma, o aumento de horas, para além das 7 agora 8 horas de trabalho por dia, estará dependente do acordo individual ou colectivo entre empregador e funcionário
«nm»

Comemorações do Dia Mundial da Criança


31 de Maio 2013

às 9h45 e 14h30 para crianças das escolas

às 21h00 para a população - entradas livres

Peça de Teatro "O Gigante Egoísta" de Oscar Wilde

pelo Grupo de Teatro Cegada

no Salão de Festas dos Bombeiros e da Música

01 de Junho

16h00

XI Concurso de Pesca Infantil

Na Albufeira dos Patudos

Informações e inscrições nas Escolas ou GAMT até 28 de Maio
«CMA»

‘Mais Alpiarça’ vai apresentar o seu programa eleitoral

No próximo domingo, dia 2 de Junho, pelas 17 horas, o movimento ‘Mais Por Alpiarça’ vai inaugurar a sua sede de campanha situada na Rua José Relvas n.º 151.
Seguidamente apresenta a sua ‘Comissão de Honra’ bem como os elementos que irão compor as listas de candidatos à Assembleia Municipal, Câmara Municipal e Assembleia de Freguesia.
Durante a sessão será ainda apresentado o projecto que irá colocar Alpiarça no rumo certo para além de dar a conhecer o seu programa eleitoral.


quarta-feira, 29 de maio de 2013

Os políticos não são todos uns mentirosos?


Os políticos não são todos uns mentirosos?
 Sim. Candidatam-se sob um programa eleitoral cheio de promessas e intenções que depois não cumprem nem têm intenção.
Quando atingem o poder, passam 4 anos lamuriando-se com a governação anterior, que conheciam ou tinham a obrigação de conhecer quando se candidataram.
-Os políticos não nos roubam?
Pelo menos tentam roubar, como no caso do IMI. Quem tenha uma casa avaliada em 100 mil euros, seria roubado todos os anos em 200 euros, pagando 500 em vez de 300. Em 4 anos, 800 euros!
-Os políticos não nos enganam? Está respondido no ponto 1. Mas ainda nos enganam mais quando fazem uma coisa e depois dizem que fizeram outra.
- Os políticos não nos prometem mais emprego e depois não cumprem?
Verdade. Alguns até rejeitam projectos de investimento apenas porque não passaram pelo crivo do partido.
Acabam por criar os empregos que não prometem: OS BOYS & GIRLS

Noticia relacionada:
"O marasmo a que os políticos locais nos amarram": 

Maus exemplos no Corpo de Bombeiros de Alpiarça


Lendo os comentários observa-se o poder do corporativismo em Portugal.
Todos se unem, não para recriminar uma prática incorrecta e ilegal, mas procurando revanche contra quem denuncia.
Meus senhores, isto é Portugal no seu melhor.
Noutro País, o Sr. Presidente da Câmara juntamente com o sr. Comandante dos bombeiros já teriam apurado quem foi e teria sido avisado que aquele comportamento não se poderia repetir.
Se não existe, devia existir um código de conduta dos bombeiros em que situações como estas possam em caso de violação ser objecto de processo disciplinar.
Ao contrário também é verdade. Quando o bombeiro cumprir exemplarmente com as suas funções e for alvo de calúnias ou ataques injustificados, deve ser defendido com unhas e dentes pela sua hierarquia.
É assim que as coisas funcionam, ou devem funcionar em qualquer organização profissional.

Noticia relacionada:
 "É PRECISO COLOCAR ORDEM E RESPEITO NOS BOMBEIROS": 

Aprender a ser presidente é uma aprendizagem demasiado cara para os contribuintes

Diz um leitor:" Um presidente não pode ir aprender a gerir durante o mandato, é uma aprendizagem demasiado cara para os contribuintes." (ler: "O marasmo a que os políticos locais nos amarram": )
Foi das coisas mais acertadas que por aqui vi escrito. Embora se aplique a outros casos, como é evidente.
Explica também a falta de algumas respostas executivas que deveriam ter sido tomadas e não foram.
Mas, a falta não é só de quem tem pouca preparação para o cargo de presidente ou de qualquer outra função superior. Uma das faltas gravíssimas é o facto de as pessoas que estão no terreno, pago com o dinheiro do erário público, para apoiar e ajudar o presidente nomeadamente em áreas técnicas e jurídicas, não terem também eles preparação para o fazer. Se não as coisas nem correriam tão mal assim. Sempre se viu pessoas conhecedoras dos seus misteres na função pública ou particular ajudarem quem chega, independentemente de ser um colega, um encarregado ou outro superior hierárquico, até se ambientar às suas novas funções.
E nunca veio mal ao mundo por isso. 
O problema, é quando se junta a fome com a vontade de comer - como se diz em gíria popular.
Aí, é que a porca torce o rabo
! 

SÁBADOS A CONTAR


BIBLIOTECA MUNICIPAL DE ALPIARÇA Dr Hermínio D Paciência
«CMA»

Lei para comunidades intermunicipais considerada inconstitucional

Atribuição de competências e desrespeito pelo elenco fixo de autarquias locais, foram os motivos apresentados pelos juízes.
O Tribunal Constitucional considerou  inconstitucional a lei das comunidades intermunicipais, diploma incluído na reforma do Poder Local.
Cavaco Silva solicitou no passado dia 3 de Maio a fiscalização preventiva sobre a legislação para as novas comunidades intermunicipais a quem conferia novos poderes, assim como o estatuto de autarquia local. Agora o Tribunal Constitucional (TC) deu razão às dúvidas do Presidente da República e à Associação Nacional de Municípios que também havia defendido a inconstitucionalidade do diploma.
"A Constituição elenca um número fixo de autarquias locais e nesse não estão incluídas as comunidades intermunicipais", considerou o presidente do TC, Joaquim Sousa Ribeiro, considerando que a criação desse novo órgão "violou o princípio da tipicidade" do poder local. Esta foi uma decisão apoiada pela unanimidade. 
O segundo ponto que havia suscitado dúvidas ao Presidente da República prendia-se com a atribuição de novas competências, actualmente com as câmaras municipais, a comunidades intermunicipais e freguesias não tendo a decisão sido consensual. "A decisão foi por maioria de 8 para 5, por violação  da reserva de lei. Essa delegação da competências tem de ser feita por lei, mas era uma norma praticamente em branco, sem conteúdo minimamente preciso", disse Joaquim Sousa Ribeiro
«DE»

É PRECISO COLOCAR ORDEM E RESPEITO NOS BOMBEIROS

Desafio esta equipa ou outra qualquer, a colocar os senhores Bombeiros Municipais na ordem, é uma vergonha o que assisti ontem.
Fiz um bocado de viagem na retaguarda de um jipe dos Bombeiros Municipais de Alpiarça e presenciei quase de tudo: estrada do campo entre Chamusca e Vale de Cavalos a 90/100 Km/h (limite 50);  entre Vale de Cavalos e Alpiarça acima dos 125km/h (velocidade a que eu vinha e o dito jipe ganhou-me distância).
A juntar a isto o cigarrinho e um telefonema feito pelo condutor.
De salientar que A MARCHA DE URGÊNCIA NÃO VINHA ASSINALADA.
Será que não têm de cumprir o código da estrada?
 Grande coisa é ser o contribuinte a pagar o gasóleo, como nada como que acelerar
 O sr. Comandante dos bombeiros ordem e respeito para estas situações que são graves e já todos pudemos constatar aqui e ali. Quando se vai em serviço é uma coisa mas quando não há motivo para urgência  os bombeiros condutores devem cumprir o código da estrada. É o mínimo que se pode pedir a quem veste uma farda. 
Agradeço que publique obrigado.

Uma leitora

O marasmo a que os políticos locais nos amarram

Não sou, nunca fui e nem pretendo ser candidato a qualquer cargo politico. Mas sou um filho da terra e preocupo-me com ela.

Não gostava que esta fosse mais uma oportunidade perdida para sair deste marasmo, a que os políticos locais nos amarram.
Gostava que os problemas estruturantes de Alpiarça fossem resolvidos e houvesse um futuro risonho paras as gerações atuais e futuras.
Olhem para as localidades vizinhas, e vejam como se desenvolverem nos últimos anos e depois façam uma comparação com o que se passou por aqui. Quem são os culpados? 
Todos sabemos apontar o dedo, mas fomos nós que os escolhemos e pelo que vejo vamos fazê-lo da mesma forma…..

Analisando perfis pessoais e não programas…
Noticia relacionada:
 "Leitor questiona os 3 candidatos e...responda aque...": 

Serviços públicos obrigados a manter portas abertas mais horas

A proposta de alargamento do horário na Função Pública, das actuais 35 para 40 horas semanais, vai ter uma consequência directa também no horário dos serviços que passarão a estar de portas abertas mais horas, destaca a edição desta quarta-feira do Diário Económico.
O aumento do horário semanal para os trabalhadores da Administração Pública, uma proposta já apresentada pelo Governo aos sindicatos, vai ter uma implicação também no funcionamento dos serviços públicos.
Conta hoje o Diário Económico que, no mínimo, estes serviços passarão a estar abertos durante mais tempo, ou seja, entre as 9h00 e as 13h00 e entre as 14h00 e as 18h00, sendo que actualmente o horário normal de atendimento ao público é das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.
A proposta do Governo sublinha, porém, que a duração média do trabalho semanal, contando com as horas extraordinárias, não pode exceder as 48 horas, face às actuais 42.
Esta nova regra, enviada ontem aos sindicatos da Administração Pública, é apresentada como “imperativa” e sem possibilidade de negociação colectiva, contrariamente ao que acontece no sector privado.
De salientar que além deste aumento do horário de trabalho para 40 horas, o Governo pretende ainda reduzir os dias de férias dos funcionários públicos, bem como aumentar as contribuições para a ADSE e subsistemas de saúde, alterar a actual tabela remuneratória e cortar nos suplementos.

«NM»

A 'próxima esquerda' e os instalados

Postado por Anabela Melão
"À esquerda sucedem-se movimentações para tentar perceber o que aconteceu. É interessante, que num contexto de crise geral haja quem privilegie saber como pode uma ideia antiga adaptar-se a uma realidade nova, ao invés de procurar ideias novas. Mas adiante.
Se formos à substância da esquerda não comunista - justiça social, igualdade de oportunidades, laicização do Estado, voto universal e muitas outras ideias generosas que hoje se tornaram património comum e geral - e compararmos com o que temos hoje, não só se lhe reconhece uma vitória ideológica como um domínio quase absoluto dos conceitos no discurso público.
Mas o sucesso também mata. Basta olhar para tanta instituição e ideia bem sucedida. Ora, sabendo isto, deveria ser neste ponto que a esquerda se deveria concentrar. 
Infelizmente, a esquerda hoje defende, sobretudo instalados. É o que se passa nos sindicatos - quanto maiores e mais seguros os privilégios dos associados - desde logo na Função Pública - mais ativos são. É por isso que não vemos - salvo ONGs e igrejas - quem defenda os sem abrigo, os desempregados de longa duração, enfim, os mais desprotegidos da sociedade. (Sublinho que escrevi quem defenda e não quem fale desses assuntos). A questão não é nova, há mais de 20 anos o dirigente do SPD alemão Oskar Lafontaine sublinhava este facto - os instalados na vida dividem-se entre esquerda e direita. A terceira parte sai dos sistemas políticos e fica a vegetar num limbo sem representatividade. Os sindicatos e associações profissionais já não os representam, eles já não votam e os partidos não querem saber deles e são os autênticos párias dos novos regimes.
A partir de determinado ponto, lembraram-se de comprar os fora do circuito com subsídios. Os rendimentos mínimos garantidos, mas o dinheiro nem sempre chega. E é por isso que na Suécia, onde uma família com quatro filhos tem mais de 2000 euros de subsídio só por esse facto (é o terceiro melhor sistema de proteção social do mundo), há quem ande a partir tudo nos subúrbios de Estocolmo devido a cortes que deixam a situação em termos tais que, por cá, seriam considerados próximos do paraíso.
Por isso, se me permitem os meus 50 cêntimos para a conversa (como se diz nos EUA), a esquerda, se quer ser a próxima, a nova ou outra coisa qualquer, comece por esta radicalidade estranha e politicamente incorreta: preocupe-se com os mais pobres, os mais desprotegidos e os mais vulneráveis e deixe de fazer coro com os instalados, aqueles que tendo assegurado uma parte do Orçamento comum, não querem, nem por decreto, largar seja o que for.
É claro que há muitos mais aspetos a discutir: da laicização financeira, ao fim dos paraísos fiscais, mas pretendi apenas falar do menos óbvio."
De: Henrique Monteiro, Expresso

XX ENCONTRO DE COROS DE ALPIARÇA


Encontro de Coros de Alpiarça
Pólo Enoturístico da Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça
25 de Maio de 2013 
Orfeão da Sociedade Filarmónica Alpiarcense 1º de Dezembro
Coral Polifónico Jubilare, Alcanena
Grupo Coral de Maria Lamas, Amadora
O espectáculo deste ano assinalou o 20º Aniversário do Orfeão da SFA
«CMA»

Governo quer antecipar eleições "para fugir a Orçamento"


Realizadas em Outubro desde 2005, as eleições autárquicas podem, este ano, ser antecipadas para Setembro. Essa é a vontade do PSD e do CDS “para tentar fugir ao Orçamento do Estado”. A oposição não partilha da mesma ideia e quer que a data se estenda até ao limite, dia 13 de Outubro. Fontes da direcção e da estrutura autárquica do PSD disseram ao jornal i que, apesar de o tema ainda não ter sido discutido na Comissão Parlamentar, a vontade é antecipar as eleições autárquicas para 22 ou 29 de Setembro, os últimos dois domingos do mês. O CDS partilha da mesma opinião, e segundo o vice-presidente da bancada do partido, Hélder Amaral, “a preferência de todos é Setembro, para tentar fugir ao Orçamento do Estado” para 2014. Já a oposição quer que a data das eleições autárquicas acerte com o momento em que será conhecido o Orçamento do Estado (OE) para 2014 (que será entregue na Assembleia da República a 15 de Outubro) e a nona avaliação do programa de ajustamento (com a chegada da troika a Portugal no dia 6), ambas agendadas para os primeiros dias de Outubro. Deste modo, o PS, PCP e Bloco de Esquerda defendem que o sufrágio se realize ou a 6 ou a 13 de Outubro, em pleno rescaldo das últimas decisões para a economia do País. Do lado do PS – partido que mais beneficia com uma possível derrota do PSD -, José Junqueiro, candidato a Viseu, diz que “não há nenhuma razão para que as autárquicas sejam antecipadas” e que “seria um escândalo que a maioria” o fizesse “para esconder a sua proposta de Orçamento do Estado”. O PCP segue a onda de contestação e garante que a antecipação teria apenas o “premeditado objectivo de esconder dos portugueses” as medidas do OE de 2014. Pedro Soares, do Bloco de Esquerda, aponta outras razões para que as eleições não ocorram em Setembro. O coordenador autárquico do partido mostra “receio em relação aos cadernos eleitorais” e diz que a antecipação pode fazer com que a campanha coincida com o “período de férias dos portugueses”
«NM»

terça-feira, 28 de maio de 2013

Se o candidato pela lista "Todos por Alpiarça" fosse a Madre Teresa de Calcutá também lhe encontrariam "pecados" graves

Não tenho dúvidas que o ressabiamento patente em certos comentários só pode vir de gente que concebe a política como um feudo dos partidos.
Se são militantes de topo ou de base, já é outro assunto.
Alguns, pela fraqueza da argumentação só podem ser de base, ou, de alguns que sendo incompetentes conseguiram pela fidelidade "canina" alcançar lugares mais elevados.
Como respeito quem quer discutir educada e civilizadamente, tenho todo o prazer em lhe responder.
Se o candidato pela lista "Todos por Alpiarça" fosse a Madre Teresa de Calcutá, ou o Pe. António Vieira, estou certo que da mesma forma lhe encontrariam "pecados" graves.
O PS e a CDU estão habituados a discutir a dois as eleições em Alpiarça, e na sua campanha pré-eleitoral apenas têm de se preocupar com um adversário.
A candidatura Independente veio baralhar as contas.
O Francisco Cunha não é um "ingenuozinho", que, cheio de boas intenções se veio apresentar ao povo para ser cilindrado pelas poderosas máquinas partidárias.
É um indivíduo vivido, ardiloso, sedutor e que sabe jogar o jogo viciado dos partidos.
Todos os seus adversários o são, em menor ou maior dose.
Rodeou-se de gente competente, que conhece a política local e que pode causar mossa nos partidos habituais.
Vai cumprir as regras? Naturalmente que sim!
Já passou um bocado o tempo em que tudo se fazia e em que os crimes ficavam impunes.
Finalmente há autarcas presos, perdas de mandatos e outras sanções.
Mas, pergunto...
No mandato anterior não endividaram a câmara para valores quase insuportáveis?
Como disse no texto, não andaram anos e anos a esconder uma dívida ao FFH?
A culpa dessas ilegalidades também foi do Cunha? Foram decisões LEGAIS?
Ou foram cometidas e criadas por aqueles que se dizem muito sérios, apoiados por partidos e que agora não param de atirar pedras ao Cunha e aos integrantes da sua lista?
Sou partidário de que até prova em contrário todos são inocentes e querem ou quiseram o melhor para Alpiarça.
Para concluir, reitero que a lista não é só constituída pelo Francisco Cunha.
É integrada por pessoas que nunca tiveram problemas em "por a boca no trombone" quando estiveram ligados a partidos.
Porque passariam agora a mudar a sua atitude de fiscalização e de deixar de exigir o cumprimento da legalidade?
Medo tenho é dos que aceitam tudo de cruz apenas porque o partido assim o diz


----------------------------------------
Nota: Não integro o "Todos por Alpiarça" e é uma opinião meramente pessoal que nunca poderá comprometer o movimento.

Noticia relacionada:
 "Comentarista responde à "leitora chocada""