Finalmente a população estar a ter consciencialização do drama social e económico que se vive em Alpiarça

Ler mais em: "ALPIARÇA não está a morrer aos poucos está é a cai...":

.

.

EM ALPIARÇA A ‘SITUAÇÃO’ APENAS ESTÁ BOA PARA QUEM VIVE À SOMBRA OU À CUSTA DO ‘PARTIDO’

Alpiarça e os alpiarcenses precisam urgentemente de um movimento de candidatos independentes, mas verdadeiros independentes, caso contrário dentro de pouco tempo Alpiarça está reduzida a bocados onde não se encontrará quem queira apanhar os poucos “cacos” que sobraram da desgraça que assolou esta terra que em tempos recentes era uma terra próspera e produtiva. Lei mais em: ALPIARÇA não está a morrer aos poucos está é a cair aos bocados por causa da 'inércia' a que está entregue

PORQUE A CDU/PCP SE RECUSA DAR UMA MEDALHA A TÍTULO PÓSTUMO A JOSÉ RELVAS E AO 1º PRESIDENTE DA CÂMARA?

Resultado de imagem para jose relvas

Como é possível por altura do centenário, quer no ano passado quer agora de novo para Abril, a CDU ter recusado uma medalha a título póstumo a José Relvas e ao 1º presidente Manuel Duarte? Nunca nenhum deles teve qualquer homenagem municipal deste tipo e agora a CDU reprova 2 anos seguidos estas propostas do TPA com o apoio do PS. Porquê? Leia mais em: "Câmara de Alpiarça atribui medalhas de honra e mér...":

ALPIARÇA ESTÁ A MORRER AOS POUCOS POR CAUSA DOS QUE VIVEM À CUSTA DA POLITICA

As ruas estão cheias de lixo e buracos e Alpiarça vai morrendo aos poucos, enquanto os que vivem da politica em Alpiarça, só olham para o umbigo, e para os seus vencimentos chorudos, não querem saber da população para nada. Leia mais em: "Constrangimentos na recolha do lixo em Alpiarça?":

‘VERGONHOSA’

É A TAXA DE RESIDUOS SÓLIDOS QUE A CÂMARA COBRA PARA A QUALIDADE DE SERVIÇOS QUE PRESTA

Uma vergonhosa taxa de resíduos sólidos urbanos em Alpiarça, muito mais cara que nas redondezas como por exemplo na Chamusca, para uma qualidade de serviço assim? Ler mais em:"Constrangimentos na recolha do lixo em Alpiarça?":

.

.

sexta-feira, 27 de março de 2015

O FUTURO ESPERA-VOS

Exemplo dos  efeitos de uma hipotética  reconstrução da Aldeia dos Pescadores  no Patacão

Por: Victor F.P. Fernandes
"A iniciativa da criação do museu partiu de voluntários entusiasmados, que se dispuseram a reconstruir, nesta zona rural francesa, as 72 casas da aldeia. Atualmente, podem ser encontradas fazendas, lojas de artesanato, estação ferroviária, capela, moinhos e escolas, todos dispostos a fim de reconstituir o cenário antigo da vila. Visitantes podem se deliciar comprando produtos feitos no local como compotas de doces, mel e aguardente. O comércio de objetos de cerâmica, madeira e renda, criados por artesões da região, também faz parte do roteiro e chama atenção do público.
Antes eram locais como o Patacão em vias de desaparição , hoje é um ECOMUSEU mais visto …Não digam não sem verem a historia .

 O surpreendente museu vivo é considerado um dos mais ricos e prestigiados da Europa, com direito a passeios de carruagem e de minibalça pelo lago ali encontrado. Os jardins encantadores formam um cenário cinematográfico e o interior das casas e escolas da aldeia, sempre preservando o estilo alsaciano, te levam a desvendar essa cultura fascinante.
O Ecomuseu da Alsácia é um verdadeiro condensado de cultura alsaciana, que permite a cada visitante, contemplar sua essência, presenciando atrações culturais como apresentações de música e danças típicas. Além disso, também é possível participar de oficinas com atividades desenvolvidas na época e degustações da culinária local. Exposições temporárias ou permanentes exploram ainda mais esse rico contexto cultural, proporcionando a todos uma verdadeira imersão."

"Academia Palmo & Meio"



A Academia Palmo & Meio é um serviço de babysitting situada na Rua Manuel Paciência Gaspar, 174 B na Vila de Alpiarça. Funciona em horários flexíveis, procura dar resposta às necessidades de cada família.
Pais ou outros cuidadores que queiram ir jantar fora ou só passar um dia calmo e tranquilo e não tenham com quem deixar os pequeninos, a "Academia Palmo & Meio" pode bem ser a ajuda perfeita! 
Em caso de interesse é muito fácil contactar, é só ligar ou enviar uma mensagem privada e fica prometido que a resposta será comunicada o mais breve possível. Funcionamos também como Campo de férias nesta Páscoa, a preços económicos, faça-nos uma visita, estamos ao vosso dispor, á hora, ao dia, á semana, ou ao mês.

Crise apagou 338 mil trabalhadores. Maioria ganhava até 600 euros

Nos últimos seis anos, mais de 330 mil trabalhadores por conta de outrem deixaram de constar das estatísticas de emprego do INE. A esmagadora maioria ganhava até 600 euros por mês. Explicação: o impacto da crise nos sectores de baixos salários, nomeadamente na construção, empurrou muita gente para a reforma ou para a emigração.
No final de 2014, Portugal tinha 3,611 milhões de trabalhadores por conta de outrem. São menos 338 mil (-8,57%) que no final de 2008, quando soaram os primeiros alarmes da crise financeira. Uma sangria sobretudo nos escalões mais baixos de rendimento: desapareceram 505 mil pessoas com salários de 310 a 600 euros. São agora pouco mais de 1,2 milhões, um terço de todos os trabalhadores por conta de outrem. Os escalões com salários mais altos contam até com mais trabalhadores, particularmente no grupo dos 1200 a 1800 euros - são mais 167 mil.
"Uma grande parte destas pessoas que desapareceu das estatísticas do emprego pura e simplesmente emigrou. Muitos jovens mas, principalmente, os trabalhadores da construção civil, tanto aqueles que trabalhavam diretamente no sector como os que trabalhavam em atividades afins, como imobiliário ou jardinagem" e tinham salários baixos, justifica Francisco Madelino, antigo presidente do IEFP. A maioria terá ido para Angola ou para o Brasil.
João Carlos Cerejeira da Silva partilha a mesma opinião. "O impacto da crise foi mais duro nos sectores de baixos salários, nomeadamente a construção civil, um sector marcado por muita informalidade em termos de salários, e que foi muito afetado", diz o professor da Universidade do Minho e especialista em política salarial.
A indústria, construção, energia e água contava, no final de 2014, com menos 362 mil trabalhadores do que em 2008. "Só nos últimos três anos emigraram 150 mil trabalhadores da construção, a maioria para países da Europa, mas também para o Canadá, Angola e Moçambique", explica o sindicalista Albano Ribeiro.
Outra razão para esta redução da força de trabalho é a passagem para a reforma dos trabalhadores com mais anos, normalmente com menos formação e salários mais baixos. "Há uma relação entre a estrutura etária, as qualificações e o rendimento salarial", garante Cerejeira da Silva. "Os indivíduos que passam para a reforma são, geralmente, pessoas de baixas qualificações e que receberam baixos salários", explica o professor.
A verdade é que, dos quase 5 milhões de indivíduos com 45 ou mais anos que o INE contabiliza, só 475 mil têm o ensino secundário completo e quase dois milhões têm o primeiro ciclo do ensino básico completo.
Começa, ainda assim, a notar-se uma recuperação do emprego. De 2013 para 2014, o número de trabalhadores por conta de outra aumentou em 700 mil indivíduos, ultrapassando 3,6 milhões. É de esperar que esta tendência se mantenha? "Se, sendo muito otimista, o crescimento económico chegar aos 2%, é de prever que haja, este ano, alguma recuperação no emprego, mas ligeira, com novos contratos feitos com níveis salariais inferiores aos salários médios praticados no mercado", prevê o professor da Universidade do Minho, acrescentando que "as regras de despedimento mais flexíveis poderão também incentivar as empresas a fazerem contratações".
Desde a chegada da troika a Portugal, em 2011, que o rendimento mensal líquido se mantém praticamente inalterado. O ano passado não foi exceção: o salário médio fixou-se nos 813 euros, valor muito próximo dos 808 euros registados em 2011. Os serviços apresentam a média salarial mais elevada, com 842 euros, seguindo-se a indústria e construção, com 751 euros. Muito abaixo fica a agricultura, com uma média salarial de 578 euros.
A diferença salarial entre homens e mulheres também pouco mudou. Desempenhando funções idênticas e da mesma responsabilidade, com qualificações semelhantes, as mulheres ainda ganham menos 20,4% do que os homens em Portugal. Ou seja, se um homem receber, por exemplo, 700 euros, uma mulher no mesmo cargo receberá 557 euros.
«DV»

quinta-feira, 26 de março de 2015

Ribamédica com nova clínica em Alpiarça

Na nova clínica poderá efectuar exames de Cardiologia, Audiologia e Psicologia, bem como consultas de diferentes especialidades: André Silva – Acupuntura, Alexandra Patrão – Audiologia, Júlio Aranha – Cardiologia, Noronha Bogalho – Clínica Geral, Ermelinda Flauzino – Clínica Geral, Catarina Raposo – Nutrição, Rudolfo Montemor – Otorrino, Pedro Aranha – Osteopatia, Teresa Barracha – Pediatria, Catarina Pinto – Podologia, Rogério Henriques – Psicologia, Paula Pinheiro – Psiquiatria e Graça Caldeira – Terapia da Fala. Brevemente também será possível a realização de análises clinicas com a colaboração do laboratório Biolabor. 
A nova clínica está localizada na Rua Dr. Queiroz Vaz Guedes em Alpiarça com horário de funcionamento de 2ª a 6ª feira das 15h às 20h. As marcações podem ser efectuadas no local ou pelos telefones 243 040 230 e 91 272 22 06.
«CR»

DOS LEITORES: "Por isso minha Sra. a culpa é mesmo do partido!" (CDU/PCP)

Cara Sra.(ler: "ALPIARÇA não está a morrer aos poucos está é a cai...": ) engana-se, neste caso a culpa é mesmo do partido.
Afinal, é o partido que permite que pessoas, sem um mínimo de visão estratégica, ou capacidades, tomem nas suas mãos a gestão de pessoas e terras, somente tendo como qualidades a extrema capacidade para "yes sir".
Quer ver terras vizinhas em que, mesmo endividadas até ao tutano, aí sim em situação melindrosa, mesmo assim, quem geria os seus destinos, conseguiu, combater o flagelo que invadiu o país? Ande uma dúzia de kms e veja a vizinha Chamusca, onde, a gestão também CDU, conseguiu, mesmo com uma Câmara falida, em que até mobiliário venderam, preparar e criar condições, mínimas, para que a terra comece a sair do abismo, em vez de para lá caminhar.
Pode ser pouca, mas alguma recuperação já se vê, novas empresas, construções, PESSOAS NA RUA, etc., isso faz-se trabalhando, não se queixando.
A culpa é do partido quando permite que incompetentes, afastem quem está disposto a trabalhar para uma causa, preferindo a "carneirada". Veja o que fizeram aos anteriores presidentes da assembleia e da junta! Como procuraram o bem da população, em vez de meia dúzia de militantes, toca a correr com eles, que aqui, em Alpiarça, só pode estar quem não contesta as ordens da meia dúzia de dirigentes.
Sabe porque a culpa é do partido? Porque permite que essa meia dúzia de dirigentes, devidamente apoiados pelos caprinae, que controlam, oferecendo empregos, comandem a estrutura concelhia da CDU, destruindo, sem sequer sabendo o que significa ser comunista! 
Por isso minha Sra. a culpa é mesmo do partido!

Agora todos se apercebem, salta à vista, que Alpiarça está morta, somente respirando ligada às máquinas. 

Somente agora se apercebem, pois existiu quem procurasse,- em vez de se queixar das dívidas/poder central/ estado do país/ qualquer coisa que sirva para esconder a incompetência-, criar condições para que Alpiarça se desenvolvesse! Tais criações estavam criadas em 2009, mas tal como uma criança, que precisa de se alimentar, tinham que continuar a ser desenvolvidas. A falta de capacidade do executivo, assim não fez, preferindo queixar-se de qualquer coisa. 
Conclusão:

 de 2009 a 2013, queixaram-se, esquecendo que até existiam fundos comunitários, que lhes permitiam trabalhar em prol da população (afinal o único projecto que alteraram, foi o do estacionamento da CMA, e isso, como tudo o que fazem, só os serve a eles).


Agora queixam-se do país!?!?!? Ganhem VERGONHA que já chega de gozar com a população. 


TRABALHEM para quem os elegeu, fora do partido, não somente para aqueles que lhes permitiram dominar a CDU em Alpiarça.
E pode ser que em 2017, não tenham destruído em absoluto, a capacidade de esta não ser uma terra condenada a deixar de existir, e permitam que outros, capazes, os substituam! 

ALPIARÇA não está a morrer aos poucos está é a cair aos bocados por causa da 'inércia' a que está entregue

Nada nesta terra nada  pode ser feito sem o 'selo' do 'Partido' ou sem a opinião da 'Silvestre Bernardo Lima'



a 'situação' apenas está boa para quem vive à sombra ou à custa do “Partido” ou para quem o representa


ALPIARÇA não está a morrer aos poucos está é a cair aos bocados por causa do abandono e esquecimento a que está entregue.
Não há o mínimo sinal de progresso. O comércio praticamente não existe e ninguém se esforça para interromper este ciclo negativo onde tudo parece estar a cair aos bocados.
Alpiarça está uma desgraça. Até a população diminui dia após dia onde não há o mínimo sinal de investimento e ou de crescimento.

Apenas impera a inércia e o marasmo

Uma terra que não oferece condições nenhumas para os jovens e muito menos garante emprego a quem quer que seja onde os seus “filhos” mais jovens tem que partir para outras banda em busca de melhores condições e de melhores dias
Nada nesta terra nada  pode ser feito sem o selo do “Partido” ou sem a opinião da “Silvestre Bernardo Lima”.
Honre seja feita aos ex-presidentes Armindo Pinhão e Rosa do Céu que foram os únicos que ainda fizeram alguma coisa em Alpiarça.
Quanto aos outros, incluindo os actuais, continua a ser um marasmo e uma inércia onde tudo   parece estar bem.

Na verdade nesta terra a “situação” apenas está boa para quem vive à sombra ou à custa do “Partido” ou para quem o representa

A estes convêm é que nada se altere.

Alpiarça e os alpiarcenses precisam urgentemente de um movimento de candidatos independentes, mas verdadeiros independentes, caso contrário dentro de pouco tempo Alpiarça está reduzida a bocados onde não se encontrará quem queira apanhar os  poucos “cacos” que sobraram da desgraça que assolou esta terra. 
Uma terra  que até ao "25 de Abril/74" era  próspera e produtiva.

"PAC 2014-2020, Sistema de Seguros de Colheita e Regime Forfetário do IVA na Pequena Agricultura"

A Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo organiza a Sessão de Informação subordinada ao tema “PAC 2014-2020, Sistema de Seguros de Colheita e Regime Forfetário do IVA na Pequena Agricultura” , no dia 31 de março, às 14h00, no auditório do Edifício Pirâmide, em Abrantes.
O Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) em articulação com a AG PDR 2020, o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP) e as Direções Regionais de Agricultura e Pescas, pretendem divulgar o novo seguro de colheitas 2015, e sensibilizar os agricultores para que protejam o seu rendimento.
O Seguro de Colheitas está assente em 3 princípios fundamentais: 1º Financiamento Comunitário, pois opera no PDR 2020 e portanto é financiado por fundos comunitários; 2º mais atrativo para os agricultores, pois é composto por uma apólice horizontal que abrange todas as culturas no território continental e por apólices específicas mais adaptadas às culturas e regiões e, 3º mais universal, pois é conjugado com o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020, isto é, os agricultores que façam seguros terão prioridade e majorações nos apoios às medidas de investimento do PDR 2020.
Informamos que durante os meses de março e abril, irão decorrer outras sessões de esclarecimento sobre o assunto.
Poderá efetuar a sua inscrição de forma gratuita, na Sessão de Informação, neste link ou no Sitio da Internet da DRAPLVT até ao próximo dia 31 de março

Dívida ao FMI está 1500 milhões de euros mais cara

A desvalorização do euro fez com que os empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI) ficassem mais caros para Portugal, avançou o Público.
Em abril do ano passado, quando foi entregue a Portugal a última tranche de empréstimo por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI), o país ficou a dever à instituição 26.670 milhões de euros.
No entanto, indica o Público, esta semana, antes das primeiras amortizações antecipadas, o valor já estava próximo dos 30.400 milhões de euros.
Estes 3700 milhões de diferença devem-se à forte depreciação do euro face à maior parte das divisas internacionais. Esta desvalorização tornou mais caro o empréstimo que Portugal tem que pagar em SDR (Direito Especial de Saque, moeda usada pelo FMI nos seus créditos).
A mesma publicação indica que o Estado português está, desde abril, a registar um encargo adicional com dívida próximo dos 1500 milhões de euros, uma vez que 60% dos empréstimos cedidos pelo FMI foram alvo de uma cobertura cambial (que protege o devedor de risco  de variação do valor das moeda).
«NM»

quarta-feira, 25 de março de 2015

Câmara de Alpiarça atribui medalhas de honra e mérito desportivo

Mário Peixinho e António Montês de Carvalho vão ser receber a Medalha de Honra do Município de Alpiarça a título póstumo. Os atletas Ana Gomes, Vasco Pessoa, Vanessa Fernandes, Rui Tenrinho, Raquel Aguiar, Joana Dias, Lara Ramalho e Lara Lopes vão receber a Medalha de Mérito Desportivo.
Também a equipa masculina infantis de trampolins do Clube Desportivo Os Águias de Alpiarça e a equipa feminina de iniciadas de trampolins do mesmo clube vão ser distinguidas com a Medalha de Mérito Desportivo.
Joaquim Garrido, administrador da empresa Garrido Artes Gráficas, será distinguido com a Medalha de Honra Municipal.
Ler mais em:

ÁGUAS DO RIBATEJO INTEGRA ASSOCIAÇÃO PSAT PARA REFORÇAR SEGURANÇA NOS EQUIPAMENTOS E INFRAESTRUTURAS

Prejuízos de mais de 300.000 euros nos últimos três anos com furtos e atos de vandalismo


 Nos últimos três anos a ÁGUAS DO RIBATEJO registou mais de 300.000 euros de prejuízos com furtos e atos de vandalismo nos seus equipamentos e infraestruturas no universo dos sete municípios onde presta serviços de abastecimento de água e saneamento. Os dados foram revelados esta tarde pelo Presidente da Águas do Ribatejo, Francisco Oliveira após a assinatura de um protocolo com a PSAT – Associação para a Promoção da Segurança de Activos Técnicos, que visa reforçar o combate aos furtos e atos de vandalismo e a prevenção nos equipamentos e infraestruturas da empresa.
Segundo Francisco Oliveira, entre os furtos mais relevantes estão o de uma unidade móvel de desidratação furtada em Marinhais, que custou mais de 80.000 euros; um Tamisador furtado que custou 16.500 euros; uma viatura equipada furtada em Almeirim com um valor de cerca de 20.000 euros (viatura + equipamento); um  Posto de Transformação na ETAR do Couço, furtado no dia da inauguração, cuja reposição ficou por mais de 10.000 euros; vários  furtos de cobre e inox ascendem a mais de 100 mil euros a que se juntam mais de 300 contadores da água furtados nos sete concelhos e cujo valor unitário de contador mais instalação ronda os 50 euros.
Para além do prejuízo material, estes atos tiveram consequências para as populações que ficaram privadas de abastecimento ou de tratamento de águas residuais.
“Não podíamos assistir a esta onda de furtos e vandalismo sem reagir. Desde logo tomámos as medidas adequadas, mas precisamos deste reforço que será feito com a ajuda daPSATque tem já experiência com estas grandes empresas aqui presentes: EDP, REN, EPAL e PT.”, explica o Presidente do Conselho de Administração da Águas do Ribatejo.
O Presidente da PSAT, António Chaleira, que é também administrador da EDP, referiu que os dados obtidos permitem concluir que as ações protagonizadas pela associação e seus sócios, articulada com a intervenção das autoridades GNR, PSP, PJ e Ministério Público, têm permitido reduzir de forma significativa o número de furtos e as suas consequências.
“Muitas vezes, mais grave que o dano patrimonial é o impacto que estes furtos têm na vida de milhares de pessoas a quem prestamos serviços imprescindíveis como abastecimento de água, no caso da Águas do Ribatejo
O Presidente da AR acrescentou que “a volatilidade de alguns equipamentos pode colocar em causa a segurança de um bem precioso-a água para consumo humano com que abastecemos 150.000 pessoas.
Por outro lado, o líder da AR quer garantir a segurança dos colaboradores que diariamente têm de se deslocar aos equipamentos para garantir a sua manutenção e bom funcionamento. “Os nossos trabalhadores não podem arriscar a vida quando visitam uma instalação, temos de garantir que existe segurança”, vincou.
Nesse sentido, a AR  reforçou a segurança e as medidas preventivas e dissuasoras em colaboração com as autoridades (GNR e PSP)”, disse Francisco Oliveira que explicou que a empresa tem meia centena de equipamentos onde irá funcionar o novo sistema de vigilância permanente ao longo de 24 horas por dia.
Segundo o Presidente da AR, a integração da PSAT – Associação para a Promoção da Segurança de Activos Técnicos,  é um reforço significativo nesta estratégia de reforço da segurança junto  de equipamentos fundamentais para assegurar o bem estar das populações nos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Coruche, Chamusca, Salvaterra de Magos e Torres Novas num universo de 150.000 pessoas e 3240 km2 de área territorial.

ÁGUAS DO RIBATEJO ENTRE AS GRANDES EMPRESAS DE SERVIÇOS

PSAT é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos criada a 13 de fevereiro de 2011 com o objetivo de aumentar a segurança de pessoas e bens em equipamentos e infraestruturas e reduzir os elevados índices de furtos, roubos e atos de vandalismo em espaços públicos que pelas suas características e localização estão mais vulneráveis em termos de segurança.
PSAT teve como sócios fundadores a EDP Distribuição, aPT Comunicações SA, a Rede Ferroviária Nacional REFER EPE, a EDP Renováveis Portugal SA,  a EPAL Empresa Pública de Águas Livres SA  e a REN Redes Energéticas Nacionais SGPS SA .
PSAT trabalha em parceria com a Guarda Nacional Republicana e PSP, entidades fundamentais neste processo de combate aos furtos e vandalismo do património público e privado e garantia de segurança de equipamentos fundamentais para as populações.
ÁGUAS DO RIBATEJO aderiu ao projeto da PSAT como membro efetivo no dia 1 de janeiro de 2015.




Os atletas da Escola de BTT da S.F.A. 1º de Dezembro em Marrazes

1º Encontro Inter-Regional de Escolas de BTT, no dia 22.03.2015, em Marrazes


Exportações de tecidos portugueses para a China cresceram 10%

As exportações de tecidos portugueses para a China continental cresceram 10% em 2014, ilustrando o "bom nome de Portugal" no mercado têxtil internacional, afirmou à agência Lusa uma responsável do setor.

"As novas marcas chinesas conhecem-nos cada vez mais e há marcas internacionais, sobretudo americanas, que compram a matéria-prima em Portugal e confecionam depois os produtos na China", disse Sofia Batalha, diretora executiva da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP).
Sofia Batalha falava a propósito da abertura da "Intertextile Xangai 2015", considerada um dos maiores certames asiáticos do setor, que decorre até sexta-feira na capital económica da China com a participação de oito empresas portuguesas.
"Portugal tem um bom nome no mercado e as marcas chinesas estão a comprar mais em Portugal", disse a responsável, que representa também a Associação Seletiva Moda, o organismo da ATP encarregue de promover o país nas feiras internacionais.
Estatísticas fornecidas à Lusa pela ATP indicam que no ano passado as exportações de têxteis portugueses para a China somaram cerca de 5,5 milhões de euros, subindo 10% em relação a 2013.
O aumento maior foi nas áreas dos filamentos sintéticos e das fibras artificiais, que cresceram 104% e 26%, respetivamente, mas os tecidos de algodão mantiveram o primeiro lugar, faturando cerca de metade do total: 2,28 milhões de euros, mais 10% do que em 2013.
Incluindo Hong Kong e Macau, duas Regiões Administrativas Especiais da China, com autonomia aduaneira, as exportações de têxteis portuguesas para aquele país somaram cerca de 11,1 milhões de euros em 2014.
Segundo Sofia Batalha, a procura de tecidos portugueses está a subir também noutros países asiáticos, entre os quais a Coreia do Sul e Japão: "A Ásia não é um mercado fácil, mas é decisivo para nós", disse.
Lemar, Paulo de Oliveira, Penteadora, Ribera, Riopele, Somelos, Textil Serzedelo e Troficolor são as empresas portuguesas presentes na "Intertextile Xangai 2015", um certame com mais de 3.000 expositores de 24 países e regiões, organizado pela Messe Frankfurt.
Aquelas empresas ocupam o pavilhão "From Portugal", um espaço de cerca de 100 metros quadrados onde predomina o vermelho papoila (a "cor da energia", salienta Sofia Batalha) e com o nome do país escrito também na língua local ("Pu Tao Ya").
"From Portugal" (em inglês) é um projeto da Associação Seletiva Moda apoiado por fundos comunitários (Qren).
Paralelamente à "Intertextile Xangai 2015", decorre no mesmo local a "Micam", uma feira internacional de calçado, com a presença de cinco empresas portuguesas: Flex & Co, Fly London, J. Reinaldo, Mocc's/Boat Dock's e Nobrand
Os dois certames coincidem com um bom momento das exportações portuguesas para a China.
Pelas contas da Administração-geral das Alfandegas Chinesas, em 2014, as exportações portuguesas para a China aumentaram 18,8% para 1.660 milhões de dólares, mais de o dobro de há cinco anos.
«NM»

terça-feira, 24 de março de 2015

Camp. Nac. de Xadrez por Equipas 2015


Decorre a 57ª edição do Campeonato Nacional por Equipas, referente à época 2014/2015.  No passado fim de semana jogaram-se as 4ª e 5ª sessões  (concentrados) em vários pontos do país. Na Benedita disputaram-se também os encontros referentes 2ª Divisão - Série B , onde está inserida a Casa do Xadrez de Alpiarça.

Foi um fim de semana em cheio para a Casa do Xadrez de Alpiarça. Ganhou os dois encontros e está assim, no final da 5ª ronda, isolado no comando desta série B , da 2ª Divisão Nacional !


No Sábado dia 21 de Março - 4ª sessão - a C.X. Alpiarça defrontou e ganhou à equipa da Assembleia Figueirense , por 3 - 1.

Parciais do encontro:
Luis António  - António Ferreira:  0 - 1

Pedro Vinagre - Paulo Felizes:  1 - 0

Victor Ferreira - Miguel Babo: 1 - 0

Carlos Nascimento - Mário Mourato:  1 - 0


No Domingo dia 22 de Março - 5ª sessão - a C.X. Alpiarça defrontou e ganhou à equipa do G.X. Peões de Alverca , por 2,5 - 1,5.

Parciais do encontro:

António Vitor  - Luis António:  1 - 0

Nuno Lino - Pedro Vinagre:  0 - 1

José Santos  - Victor Ferreira: 0,5 - 0,5

Manuel Rocha - Carlos Nascimento: 0 - 1


Classificação após a 5ª ronda:


2ª DIVISÃO - SÉRIE B - Chess-Results


2ª Divisão - Série BJVEDPPM
CASA XADREZ ALPIARÇA54101413,5
CP BOMBARRAL53201314,5
AA COIMBRA 'B'51401110,5
CINE CLUBE TORRES NOVAS512299,5
GX PEÕES ALVERCA520399,0
AX BOMBARRAL/CCMB512298,0
ASSEMBLEIA FIGUEIRENSE511388,0
CX MONTEMOR-O-VELHO/CTGA 'B'510477,0

Mais detalhes destas rondas, classificações e fotos, no nosso blog, em:  http://casadoxadrez.blogspot.pt/
Por: Miguel Barriga/ Casa do Xadrez de Alpiarça

PROGRAMA DAS COMEMORAÇÕES DO 2 DE ABRIL DO CONCELHO DE ALPIARÇA


Será dado incentivo para que pais possam trabalhar em part-time

Com a baixa taxa de natalidade a ser um dos problemas que mais preocupa Portugal, o Programa Operacional Inclusão Social e Emprego contemplará uma medida que permitirá aos pais trabalhar em tempo parcial e às empresas que recorram a fundos comunitários pagar a um novo trabalhador.
A medida fará parte do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POIESE), que deverá ser publicado nos próximos dias, e que visa a criação de condições mais favoráveis para que pais e mães com filhos até dois anos possam decidir se querem passar mais tempo em casa e trabalhar apenas a tempo parcial, para melhor acompanhar o crescimento dos filhos nos primeiros meses de vida.
A medida permite, assim, a utilização de fundos comunitários para pagar o salário do trabalhador que vá substituir o pai ou mãe a tempo parcial. Existe apenas uma obrigatoriedade: o trabalhador contratado terá que constar na lista de desempregados nos Centros de Emprego.
Segundo o Jornal de Negócios fica apenas por esclarecer se o pai que opte por ficar mais tempo em casa sofrerá alguma alteração no seu salário inicial.
«NM»

segunda-feira, 23 de março de 2015

Constrangimentos na recolha do lixo em Alpiarça?



Não é só em Lisboa que há constrangimentos na recolha do lixo, parece que em Alpiarça também! Este contentor está assim desde a semana passada!!! E já vai sendo hábito! Começo a achar que vivo num bairro de terceiro mundo, pois o lixo é recolhido regularmente noutras zonas mas a minha malfadada rua teima em ser esquecida!!!!!
De: C.H.

Os "Tesourinhos Deprimentes" em que se converteram as reuniões de Câmara


A mim o que mais me mete confusão é a CDU ou o PCP conhecendo como conhece um dos vereadores da oposição e sabendo que o mesmo já tinha na campanha eleitoral andado a usar certos vídeos ou parte deles para se promover, caiu na esparrela de começar a gravar na íntegra e a publicar todas as reuniões de câmara que já de si são públicas.
É uma estupidez. Há muitas e muitas câmaras que nem em aúdio gravam as reuniões, porque o que a Lei manda é fazer a redação de actas e não gravações em aúdio ou em vídeo.
Acho que um dia ainda seremos vítimas da chacota nacional, quando algum humorista descobrir os "Tesourinhos Deprimentes" em que se converteram estas reuniões e os começar a divugar em programas nacionais.

Processos em avaliação judiciária.

Por: Anabela Melão

Não me pronuncio sobre processos em avaliação judiciária. 

Abro hoje e aqui uma excepção face à reconhecida competência da Fernanda Palma em Direito Penal. Sobre o acórdão do caso 'Sócrates'. Intitula-se 'Lógica pastoril':
«Segundo a comunicação social, o acórdão da Relação de Lisboa sobre o caso Sócrates resumiu a sua convicção sobre os indícios fortes de crimes de corrupção através do provérbio "quem cabras não tem e cabritos vende de algum lado lhe vêm". Tal lógica, própria de uma sociedade tradicional, manifesta-se deficitária numa sociedade de conhecimento, em que as causas dos fenómenos se podem revelar mais complexas.
É falacioso o argumento ‘ad ignoratiam’, em que se conclui que há fantasmas se não se provar que não existem. Pode haver quem não tenha cabras mas tenha crédito, como já aconteceu a Portugal e aos portugueses. Por outro lado, não julgo que um tribunal possa invocar um dia o provérbio "com um olho no burro, outro no cigano" para justificar medidas especiais de vigilância sobre pessoas de determinada etnia.
Baste a quem basta o provérbio e não creio que baste ao Direito. A lógica pastoril revela que há indícios de que Sócrates praticou atos de corrupção, mercadejando as funções públicas, ou apenas que o dinheiro envolvido teria de ser seu e não pode ter sido dado ou emprestado? Essa lógica pode apontar para indícios, mas especifica um crime. É adequada à investigação mas insuficiente para formular a acusação.
Talvez tal lógica fosse suficiente para um crime que pressupusesse a inversão do "ónus da prova", como o famoso enriquecimento injustificado, inexistente no momento da prática dos factos. No crime de corrupção, cabe ao Ministério Público demonstrar que o dinheiro foi recebido para uma certa disponibilização dos poderes públicos. Os princípios da presunção de inocência e ‘in dubio pro reo’ assim o impõem.
Vender cabritos sem ter cabras não prova por inferência a prática de crimes de corrupção, salvo se entendermos que o vendedor não pode ter deixado de receber os cabritos para praticar atos ou omissões contrários aos deveres do cargo, no conjunto de mundos possíveis. Porém, nesse caso, estará em causa uma questão de direito sobre o valor da prova e os limites da incriminação e não uma mera questão de facto.»

Medalha Municipal de Honra para Mário Peixinho


A Câmara Municipal de Alpiarça aprovou a atribuição da Medalha de Honra do Município, a título póstumo, a Mário Peixinho (foto), pelo percurso de vida profundamente ligado ao associativismo e à vida autárquica no concelho.
A entrega da Medalha de Honra - aos familiares que representarão a sua memória - ocorrerá no próximo dia 2 de Abril, Dia do Concelho.
«De: Mário Pereira»

Autarquias fizeram transferências ilegais de milhões

Uma auditoria levada a cabo pela Inspeção-Geral das Finanças revelou irregularidades nos apoios concedidos por 59 municípios.
Várias autarquias transferiram apoios a fundações de forma ilegal e não foram penalizadas. Segundo o jornal i, uma auditoria levada a cabo pela Inspeção-Geral das Finanças (IGF) revelou recentemente que, em 2013, “apenas 16 municípios” comunicaram as transferências, sete dos quais fora do prazo legal.
Segundo a IGF, “52 municípios não terão cumprido aquele dever de comunicação apesar de terem realizado transferências para fundações que atingiram os 6,4 milhões em 2013”.
Entre as irregularidades apontadas está ainda o caso de um município que terá pago 20 mil euros a uma entidade não reconhecida como fundação e quatro municípios que não responderam ao censo efetuado em 2012.
Segundo a legislação em vigor, “as transferências sem parecer prévio ou incumprindo o seu sentido dão origem a responsabilidade disciplinar, civil e financeira” mas, apesar do contato, o jornal i não obteve resposta por parte do Ministério das Finanças sobre quantos processos foram instaurados.
«NM»

domingo, 22 de março de 2015

Vídeo da Reunião da Câmara Municipal de Alpiarça de 20-03-2015

LEITOR RECLAMA: "Dá dó ver Alpiarça e outras terras à noite"

O que gostava era que a minha Câmara repusesse a iluminação nas ruas e estradas do concelho através da substituição das lâmpadas de mercúrio e de outras tecnologias obsoletas por LED de baixo consumo.
Cada vez que circulo à noite em Alpiarça lembro-me de uma foto de satélite que circula nos media em que a Coreia do Norte aparece na penumbra comparativamente com os países vizinhos.
Dá dó ver Alpiarça e outras terras à noite.
Já lá vão mais de 5 anos e nem uma lâmpada foi substituída porque o dinheiro é desviado para outros fins.
Pago impostos para ter segurança e iluminação à noite, para ter os caixotes do lixo limpos, para ter estradas sem buracos, para ter as ruas limpas, etc..., e não para que os usem através das coletividades fazendo folclore eleitoral de um determinado partido useiro e vezeiro nesse tipo de práticas. 

Afinal, poderá manter os seus contratos de luz e gás até 2017

O secretário de Estado da Energia, Artur Trindade afirma que se está a dar mais tempo para a alteração de contratos de forma a criar condições para novas ofertas de energia mais competitivas.
O Governo está a dar mais tempo aos consumidores para abandonarem o mercado regulado e integrarem o regime de preços livres. Pelo menos até 2017, os portugueses vão poder manter os seus contratos de água e luz natural no mercado regulado, em que as tarifas são fixadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos.
O secretário de Estado da Energia, Artur Trindade garante que o objetivo é dar tempo ao setor para amadurecer e criar condições para novas ofertas de energia mais competitivas.
Os consumidores domésticos sentiram uma enorme pressão em 2014 para alterarem os respetivos contratos, uma medida vinda pelas mãos da troika, mas que o Executivo abandonou em meados de dezembro passado.
O Governo vai então permitir que as pessoas continuem a escolher a melhor oferta e, se for preciso, dá-se outro prazo. A prioridade é que “as pessoas escolham um fornecedor porque é melhor para elas”, garante Artur Trindade ao Económico.
Para o secretário de Estado há um recado que deve ser transmitido: “Não permitimos que se utilize a legislação quando se fala com as pessoas, amedrontando-as e insinuando que haverá algo negativo ou um corte de luz”, frisa.
“O que posso dizer às pessoas e aos portugueses é que não têm nenhum corte de energia se não escolherem o seu fornecedor de energia no prazo previsto pelo Governo”, acrescenta.
Artur Trindade afirma ainda que é necessário controlar o tipo de ofertas aos consumidores, uma vez que têm surgido algumas queixas. A solução pode passar pela aplicação de multas. “Espero que o regulador utilize o regime sancionatório e com certeza que o irá fazer, para penalizar este tipo de comportamentos”, termina.
«NM»

sábado, 21 de março de 2015

BIO HORTAS URBANAS: O dia começou cedo com duas visitas


Uma ao pavilhão municipal onde o Taekwondo disputa o campeonato distrital que permite acesso ao nacional. Depois uma passagem pela 2 fase das Bio hortas urbanas. Muita gente, muito trabalho e muita animação. É muito bom ver este espírito e ao mesmo tempo um espaço que durante toda a vida esteve abandonado e servia para depósito de entulho, sofás, etc., ser agora alvo de requalificação.

Texto e fotos de: Pedro Miguel Ribeiro,
Presidente da Câmara de Almeirim»

CRITICAS DOS LEITORES: "O cócó dos outros!"

Por: 'A Mula do Relvas '
(*)
Hoje andava eu a pastar lá para os lados da Barragem, quando não é o meu espanto quando vejo o Ex.Sr. Coronel Costa, a passear o seu lindo Husky e de maquina fotográfica na mão.
Isto em parte nem é noticia, uma vez que ele devia andar a tentar captar mais imagem para fazer mais uma das suas brilhantes dissertações.

Mas falando objectivamente, Sr Coronel andava ali perto das piscinas, junto aquela estação de tratamento de Águas a fotografar e a filmar, certamente na busca do melhor plano para que possa comprovar com imagem as suas mais elaboradas teorias.
Afinal que é que torna tão importante o Sr. Coronel a tirar fotografias a um sábado de manha, o importante nem é bem as fotos é mais o que se passou durante a captação das fotos, ou seja enquanto o Sr Coronel estava ocupado na busca do melhor ângulo, o seu lindo Husky começou por marcar o território com uma bela mijadela, não estando satisfeito e como os ares do campo lhe fazem bem a tubagem intestinal teve mesmo de se aliviar ali.
Como passo despercebido fiquei ali mesmo a observar, qual burro a olhar para um palácio, para ver como acabavam as filmagens, coisa simples de explicar maquina fotográfica guardada no bolso e cócó de cão no chão.
Como é que pode ser possível pensei eu, uma pessoa desta cultura, desta estampa educacional e depois nem um saquinho plástico trás para apanhar o cócózinho do seu Bobby. Só tenho pena de não ter telemóvel para ter tirado uma selfie (com o cócó, claro).
Moral da historia quando quiseres ir as Águas do Ribatejo, toma cuidado para não chegares lá com os pés cagados, 
No fim disto tudo achei mais conveniente por questões de higiene ir pastar para outro lado.
E depois a prima do Burro sou eu.
(*) Colaborador Identificado

VII ENCONTRO NACIONAL DE VESPAS VespAguias


A temporada vespista aproxima-se e mais uma vez o VespÁguias irá fazer as honras de abertura dos encontros nacionais da mais famosa scooter do mundo, a "Vespa"!
No dia 26 de Abril pelas 09H00, na sede do nosso Clube (Rua José Relvas, 143, 2090-105 Alpiarça), dar-se-à inicio à recepção dos vespistas participantes, assim como de todos aqueles que pretendam passar um dia diferente na companhia de pessoas que partilham a mesma paixão.Estão de igual modo, todos convidados a apreciar os mais raros e belos modelos da Vespa, junto ao CD OS ÁGUIAS durante o período da manhã e no Museu José Relvas durante a hora de almoço e tarde.
Contamos com a vossa presença, até lá!