UMA DAS MAIORES “VERGONHAS

Leia mais abaixo

.

.

É UMA DAS MAIORES “VERGONHAS” EM ALPIARÇA

Resultado de imagem para isto é uma vergonha

Imagino se estes aumentos tivessem lugar na Fundação o coro de protestos que seria encenado pela estrutura concelhia do PCP. Depois vêm falar na direita, nos roubos do Passos Coelho e do Portas sobre os salários e pensões. Ler mais em: O que seria de nós se um dia fossem poder (o PCP)

ARPICA AUMENTOU AS MENSALIDADES EM 100 EUROS

Resultado de imagem para americo abalada de alpiarça

As mensalidades do Lar da ARPICA aumentaram este mês 100 euros (de 550 euros para 650 euros)! Um aumento de quase 20%!Legalmente não podem haver aumentos superiores a 27,50 euros (aumento de 5%). Se a ARPICA foi criada como uma alternativa à Fundação José Relvas, através de mensalidades mais modestas e acessíveis a todos os alpiarcenses, como é possível que na Fundação existam utentes que pagam menos e têm uma qualidade de assistência muito melhor? Ler: AUMENTOS ESCANDALOSOS NA ARPICA !

NA ALTURA CERTA, OS ALPIARCENSES SABERÃO DAR A RESPOSTA ADEQUADA À OPOSIÇÃO QUE SÓ SABE DIZER MAL DE TUDO E DE TODOS E PROVAVELMENTE ATÉ DELA PRÓPRIA

Ainda bem que há comentadores que fazem este tipo de comentários, para os leitores e eleitores perceberem o tipo de oposição que a CDU tem em Alpiarça. Apenas dizem mal de tudo e de todos, provavelmente até deles próprios. Com o devido respeito, mas já não há pachorra para aturar esta gente. Cada vez estou mais convencido que, na altura certa, os Alpiarcenses saberão dar a resposta adequada. Ler mais em: "Arruamentos no Cemitério do Vale da Cigana estão a...":

VEREADOR PEDRO GASPAR PALMILHA TERRENO MUITO ESCORREGADIO…

OBJECTIVO DOVEREADOR DO PS:

ATACAR O PCP E MÁRIO PEREIRA

Em primeiro lugar, se o “número dois” da lista de Gaspar não está a receber aquilo que tem direito pela sua categoria profissional, deve reclamar, tal como milhares de outros trabalhadores portugueses, junto do seu sindicato ou das entidades oficiais que existem para o efeito. Agora pretender escolher o serviço do seu amigo afirmando que “as suas capacidades estão muito acima desse cargo” parece-me um erro grave para um “General Manager” Ler: OS TRÊS ERROS DE GASPAR E OS CINCO CONSELHOS DE AMIGO

“PS/ALPIARÇA” ESTÁ DISPOSTO A COLIGAR-SE COM O TPA PARA ACABAR COM O REINO DE MÁRIO PEREIRA QUE MAIS NÃO É DO QUE UM MODESTO “MOÇO DE RECADOS DO PCP”

O PS não fecha portas a ninguém, nem sequer ao PCP. O PS é um partido democrático e se for para governar esta terra, trabalhará com todas as pessoas. Gostaria que o próximo presidente de câmara - que espero que não seja da CDU. Mário Pereira tem feito exactamente o contrário do que prometeu, tem desunido a população. A terra está dividida, as pessoas estão de costas voltadas. Ler: "Mário Pereira é apenas um moço de recados do PCP "

.

.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

O que seria de nós se um dia fossem poder (o PCP)

É uma das maiores vergonhas que tiveram lugar em Alpiarça estes aumentos brutais sobre os utentes e famílias que fazem parte das mais desfavorecidas socialmente.
Imagino se estes aumentos tivessem lugar na Fundação o coro de protestos que seria encenado pela estrutura concelhia do PCP.
Depois vêm falar na direita, nos roubos do Passos Coelho e do Portas sobre os salários e pensões.
Se o governo reduzisse 20% no rendimento das famílias mais pobre, que ganham pensões de 300 ou 400 euros seria um coro de protestos de Norte a Sul do país encabeçado pelos verdadeiros donos da Arpica, o MURPI-Movimento Unitario de Reformados Pensionistas e Idosos, estrutura do PCP.
Agora são eles que criminosamente expoliam os mais pobres e suas famílias e assobiam para o lado e como no tempo da outra senhora, lá vão cantando e rindo.
Tudo "A bem da Nação" (comunista, claro). O que seria se um dia fossem poder? 
Noticia relacionada:"AUMENTOS ESCANDALOSOS NA ARPICA !": 

Avenças: 24.000 euros/ano


Ponto 12... uma câmara que diz não ter dinheiro para mandar cantar um cego continua a pagar perto de 2000 euros a um advogado a título de avença.
Será que a conflitualidade é assim tão elevada que justifique o gasto de perto de 24.000 euros/ano e perto de 100.000 euros no mandato para os bolsos do camarada da CDU?
A questão que se coloca é muito simples. Durante este tempo já solicitaram propostas de avença a outros advogados ou gabinetes para ver se poderiam poupar um milhar de euros ou umas centenas por mês?
Depois passam a vida a afirmar que não podem fazer pequenos investimentos porque "não têm dinheiro". 

Noticia rerlacionada: 

FILME O SAL DA TERRA - NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE ALPIARÇA


quinta-feira, 21 de maio de 2015

ORDEM DE TRABALHOS DA PRÓXIMA REUNIÃO DE CÂMARA




AUMENTOS ESCANDALOSOS NA ARPICA !

Mais uma de muitas desavergonhices e escândalos na ARPICA


·         As mensalidades do Lar da ARPICA aumentaram este mês 100 euros (de 550 euros para 650 euros)! Um aumento de quase 20% !!!
·         Legalmente não podem haver aumentos superiores a 27,50 euros (aumento de 5%)
·         A Direção do camarada Américo Abalada fez um comunicado a culpar o Governo e o Grande Capital !!!
·         O Camarada Américo Abalada diz que teve que ser porque não é possível viver com menos receitas do que despesas
·         No mesmo comunicado, o camarada Américo Abalada aproveita para fazer campanha pelo PCP contra o Governo, Propaganda paga com o dinheiro de TODOS os Utentes

As perguntas que fazemos são:
– Se a ARPICA foi criada como uma alternativa à Fundação José Relvas, através de mensalidades mais modestas e acessíveis a todos os alpiarcenses, como é possível que na Fundação existam utentes que pagam menos e têm uma qualidade de assistência muito melhor ?
– Então agora são os idosos e as famílias que têm de pagar os desvios de dinheiro que existiram na ARPICA com total passividade ou distração do Conselho Fiscal presidido pelo camarada João Osório, anos a fio ?
– Serão estes aumentos também para pagar o ordenado do filho do João Osório, que depois do escândalo do desaparecimento de 200.000 euros, foi admitido para trabalhar na ARPICA?
– O que tem o Presidente da Câmara Mário Pereira a dizer em relação a mais este escândalo, onde o seu chefe João Osório, nunca disse publicamente uma palavra sobre o que aconteceu na ARPICA ? Vai calar-se mais uma vez, deixando passar mais uma dos seus camaradas ? 
– Quando diz que com esta politica corremos o risco de serem encerrados os Lares, está já a preparar-se para daqui a uns anos, e no fim de chular aquilo que os reformados e familiares NÃO CONSEGUEM PAGAR, fecharem a ARPICA e depois culpando o Governo seja ele qual for ?
– Foi por causa disto que o PCP criou uma vergonhosa guerra entre militantes do PCP porque queria à força toda que a Direção fosse escolhida a dedo pela Concelhia do PCP de Alpiarça.

«Texto obtido nas redes sociais e enviado por um leitor»

NR: Jornal Alpiarcense contactou a direcção da ARPICA para confirmar o aumento aproximado de 20% e questionou-a ainda das razões porque  na Fundação José Relvas há utentes que pagam menos quando a ARPICA deveria ser uma alternativa. Até ao momento da publicação desta noticia não recebemos qualquer resposta.

Coimas para crimes ambientais podem chegar aos 5 milhões

As coimas aplicadas nos incumprimentos de regras ambientais vão aumentar e, para as pessoas coletivas, podem chegar aos 216 mil euros nos casos graves e aos cinco milhões de euros nos casos muito graves, segundo o Governo.
O Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia (MAOTE) informou  que foi criada a figura da atenuação especial e foram alargadas as molduras das coimas aplicáveis às contraordenações ambientais e agravadas as molduras aplicadas às condutas ambientalmente nefastas e que constituem crime.
A proposta de lei do novo regime da lei quadro das contraordenações ambientais e do ordenamento do território foi aprovada em Conselho de Ministros, na quinta-feira, e a alteração pretende reunir no mesmo diploma as contraordenações ambientais e do ordenamento do território.
O executivo pretendeu "aperfeiçoar soluções que permitam ganhos de eficiência para a administração, com promoção dos comportamentos devidos e consequentes vantagens em matéria de saúde, segurança de pessoas e bens e ambiente, ultrapassando algumas dificuldades procedimentais", explica o comunicado do MAOTE.
Segundo o ministério liderado por Jorge Moreira da Silva, o novo regime confere maior flexibilidade à decisão condenatória, "atribuindo às entidades administrativas uma maior latitude de decisão e de adequação da sanção ao caso concreto e à gravidade do ilícito, até no sentido de diminuir a litigância e o número de situações objeto de impugnação judicial".
Os limites máximos das molduras das coimas aplicáveis são quase todos agravados, o mesmo acontecendo com os limites mínimos nas contraordenações praticadas com dolo por pessoas coletivas, caso em que "a moldura da coima aplicável passa de 30 mil euros a 48 mil euros para 36 mil euros a 216 mil euros, nas contraordenações graves".
Nas contraordenações muito graves, o Governo passou do intervalo de 200 mil a 2,5 milhões de euros para 240 mil a cinco milhões de euros.
Para incentivar melhores condutas ambientais, foi criada a nova figura da advertência destinada às situações de menor gravidade, na qual "se admite que o processo não chegue a ter instrução, desde que o arguido comprove que está a dar cumprimento integral às exigências legais e que promoveu a reposição da situação anterior à infração".
No mesmo sentido, para proteger a saúde, a segurança ou o ambiente, é possível a suspensão da coima quando contribuir para a reposição da situação anterior ao incumprimento.
O Ministério liderado por Jorge Moreira da Silva salienta ainda que são reforçados os mecanismos para garantir maior eficácia à execução da sanção.
São apontados os exemplos dos mecanismos que alargam a responsabilidade pela infração aos administradores e gestores das pessoas coletivas ou os que reforçam as garantias dos particulares, que pretendem cumprir decisões condenatórias, como o alargamento do prazo para pagamento faseado da coima.
A lei concretiza ainda as regras relacionadas com as sanções previstas no Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial, hoje publicado no Diário da República, consolidando um ponto da reforma do ordenamento do território em curso, ao integrar a disciplina das contraordenações por violação dos planos territoriais e as contraordenações por violação dos regulamentos de gestão dos programas especiais, salienta o Ministério.
«NM»

quarta-feira, 20 de maio de 2015

OS TRÊS ERROS DE GASPAR E OS CINCO CONSELHOS DE AMIGO


O vereador do PS centra esta entrevista numa única mensagem negativa: ATACAR O PCP e Mário Pereira



Analisando o texto disponível (ler: "Mário Pereira é apenas um moço de recados do PCP ...": ), verificamos que o vereador do PS centra esta entrevista numa única mensagem negativa: ATACAR O PCP e Mário Pereira. 

Ataque nº 1 - DESUNIÃO - Segundo o vereador do PS "Mário Pereira tem feito exactamente o contrário do que prometeu, tem desunido a população. A terra está dividida, as pessoas estão de costas voltadas." 

Pessoalmente, não vejo mais desunião em Alpiarça do que aquela que existia no tempo da autarquia de maioria PS, mas talvez eu desconheça algum estudo recente que o vereador tenha em mãos… Contudo, se está tão preocupado com a desunião das pessoas de Alpiarça, então não compreendo como pode o vereador Gaspar apontar o caminho de "um combate mais cerrado à CDU" para satisfazer o seu “eleitorado” ! Para além da meia-dúzia de “facas longas” do costume “sedentos de sangue”, não vejo a população de Alpiarça interessada em mais guerras pessoais! 

Ataque nº 2- MOÇO DE RECADOS – Destaca Gaspar: “É o próprio Mário Pereira quem diz que quem decide é o colectivo. Quando um presidente de câmara diz isto, é óbvio que ele é apenas um moço de recados que faz o que o seu partido decide.” . 
Vejamos: decidir coletivamente é bom porque não é uma ditadura. Num coletivo, um apenas a decidir é falta de democracia e, por isso, acaba por ser um elogio a Mário Pereira. Acredito que o vereador Gaspar, que foi eleito para representar um grupo político com determinado programa, também reúna com o seu coletivo para discutir os problemas de Alpiarça e tomar decisões em conjunto. Se não ouve e não discute com o seu grupo de apoio político e decide sozinho, bem, isso é um problema dele e dos seus eleitores. No entanto, Gaspar nunca fala da questão principal e mais importante que é o “RECADO”, isto é, a ideia, a proposta ! O “recado/proposta” pode ser a favor dos interesses da maioria da população de Alpiarça e, portanto, não importa de onde vem, do PCP, do Mário, do PS ou do Zé da esquina!
Ataque nº 3 –“ CAPACIDADES” e “CLIMA DE PERSEGUIÇÃO” – Aqui Gaspar palmilha um terreno muito escorregadio… Em primeiro lugar, se o “número dois” da lista de Gaspar não está a receber aquilo que tem direito pela sua categoria profissional, deve reclamar, tal como milhares de outros trabalhadores portugueses, junto do seu sindicato ou das entidades oficiais que existem para o efeito. Agora pretender escolher o serviço do seu amigo afirmando que “as suas capacidades estão muito acima desse cargo” parece-me um erro grave para um “General Manager”… É que uma coisa são capacidades e outra são competências !!! Capacidades são os conhecimentos em contexto da realidade e as potencialidades duma pessoa. A competência implica saber agir responsavelmente, integrando conhecimentos, recursos e habilidades de forma reconhecida. Quantos têm capacidades e não conseguem mobilizá-las para agir (competência reconhecida)… Depois, refere que o seu “número dois” estava “na Câmara do Cartaxo como assessor de um dos vereadores da maioria”, por acaso, do PS. Neste caso, podemos afirmar que um dos vereadores do PS no Cartaxo reconheceu capacidades e competência de “assessor” ao “número dois” do PS de Alpiarça. Tendo em conta o contexto da saída e regresso a Alpiarça do seu “número dois”, Gaspar deverá reconhecer que não é uma avaliação de competências isenta e que poderemos, também, olhar para a situação como um favor interno do PS. É que em Alpiarça, há quem considere que o ” número dois” de Gaspar não possui competência em algumas áreas, nomeadamente em recursos humanos. Mas isso são opiniões… Quanto ao possível “CLIMA DE PERSEGUIÇÃO”, Gaspar não deveria entrar por aí… Quantos milhares de trabalhadores estão por esse país fora em funções abaixo dos seus conhecimentos e capacidades? Com licenciaturas e mestrados em caixas de supermercado e outras funções idênticas? E já agora, no tempo da autarquia de maioria PS, lembro-me dum trabalhador que, por ter detetado anomalias informáticas e, possivelmente, de caráter de alguns responsáveis autárquicos do PS foi verdadeiramente perseguido e, até, despedido, tendo o tribunal acabado por dar razão ao trabalhador, com os respetivos encargos por conta dos contribuintes alpiarcenses …
Assim, para evitar erros semelhantes na próxima entrevista, aqui ficam alguns conselhos de amigo para o sr. Vereador do PS:
1 - Substitua o seu assessor de imprensa.
2 - Quando falar para a imprensa, leve algumas mensagem positivas e bem estruturadas.
3 - Deve identificar, sempre, quais são os problemas que as suas mensagens pretendem resolver e explique isso na entrevista.
4 – Não critique negativamente assuntos que poderão voltar-se contra si !
5 - Seja positivo e não insista em atitudes negativas.
Noticia relacionada:""Mário Pereira é apenas um moço de recados do PCP ...": 


OPINIÃO: Ajudem os meloeiros para não surgir no meio do nevoeiro o D. Sebastião em forma de melão


Ora bem,
O melão em Alpiarça?

O melão em Alpiarça e de Alpiarça existe, sim senhor, mas temos que ser realistas, o melão em Alpiarça é um
pingo no oceano. Cada vez são menos os produtores e diga-se de passagem que, os que se encontram no Carril, todos juntos não produzem tanto como aqueles senhores ali no alentejo com mais de 100 hectares de melão ali  num quadradinho apenas. Existem alguns produtores que procuram as melhores terras e dão boa figura ao nosso melão, mas a maior parte desses produtores tem os seus compradores certinhos e esses são a maior fatia da produção no concelho, mas raramente se vêem pelo carril. Esses é que podem levar o nome para os mercados ao longo do país.
Mas não, vamos apostar numa coisa nunca antes vista, vamos fazer um festival...para os amigos. As jornadas para o Avante ainda mal começaram nessas datas, vamos apostar nos nossos produtores, aqueles com cartão de sócio e vamos vender milhares de toneladas num fim de semana e chamar a Ágata para cantar o "na minha cama com ela", ali junto à vala real, onde vamos dar a provar o melhor melão do mundo, que só existe aqui, na nossa "Moscovo de Portugal".
Resumindo:
Acertaram no sítio do festival;
Erraram na aposta do "Manuel António", é preciso ser BURRO para não ver que não dá em nada;
Acertaram na escolha do Celestino Brasileiro para produzir essa variedade de melão (SEM DÚVIDA);
Erraram na aposta num festival que só serve a meia duzia de produtores; 
Acertaram na cor (bem vermelha) da meia duzia de produtores;
Erraram em substituir um evento mediocre como a feira do vinho por um mais mediocre ainda;
Acertaram nas promessas de exportadores estrangeiros;
Erraram ao prometer e não cumprir;
Acertaram em fazer algo pelo melão em Alpiarça;
Erraram em fazer disso uma bandeira;
Amigos, ajudem os meloeiros, mas não se prendam à ideia de que um dia surgirá no meio do nevoeiro o D. Sebastião em forma de melão. 
Noticia relacionada: "MELÕES: O Mercado Negro do Carril": 

Presidente da Câmara na I Convenção do Património Histórico-Cultural



Em Ponte de Lima, ao longo do dia de hoje, na I Convenção do Património Histórico-Cultural organizada pela Associação dos Municípios Portugueses com Centro Histórico (AMPCH), realizada no Teatro Diogo Bernardes.
Na Convenção, que contou com a presença do Secretário de Estado da Cultura, foi apresentado o livro "Centros Históricos" da autoria do Dr. José Miguel Noras e assinado ainda um protocolo de colaboração entre a AMPCH e a Associação dos Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), da qual o Município de Alpiarça é também associado.


 «Texto e Fotos de Mário Pereira»

PROJECTO DE PROGRAMA ELEITORAL DO PS


Carregue aqui para ler

Arruamentos no Cemitério do Vale da Cigana estão a ser pavimentados


Uma obra da Junta de Freguesia de Alpiarça, com o apoio da Câmara Municipal de Alpiarça e também da C. M. de Almeirim, no âmbito de intercâmbio de recursos entre autarquias dos dois concelhos vizinhos.


«JFA»

PIB do Ribatejo cresce mais do que o País

A taxa de crescimento do PIB e as exportações no distrito de Santarém são muito superiores à média nacional. O líder distrital do PSD de Santarém elogia os resultados obtidos pelos empresários e pela Associação Empresarial da Região de Santarém (Nersant), sublinhando o facto de conseguirem uma taxa de crescimento do PIB de 3,7%, no período de 2010 a 2013, enquanto que nas exportações mantêm um registo melhor do que a média nacional, desde 2003.
Nuno Serra, presidente da Comissão Política Distrital do PSD de Santarém, conhece bem o esforço exportador que tem sido concretizado pelos empresários do distrito e realça o trabalho encetado pela Nersant desde 2003, no apoio aos processos de internacionalização das empresas do Ribatejo. “Com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados pela Nersant, estão à vista os resultados muito positivos alcançados pelos empresários do nosso distrito para o equilíbrio da balança comercial do País”, como sublinha Nuno Serra.
Na análise que o deputado e presidente da distrital do PSD faz em relação aos dados económicos divulgados pelo INE, relativamente ao nosso distrito, merece um grande destaque o facto de o Ribatejo ter uma taxa de crescimento do PIB de 3,7%, no período de 2010 a 2013, bem superior à média do País, que em igual período foi negativa em 0,3 %. “São estes dados que provam o excelente trabalho que os empresários e a Nersant têm vindo a fazer ao longo dos anos no distrito de Santarém”, como afirma Nuno Serra.
Na nota informativa da Nersant, que é referida pelo líder distrital do PSD, é sublinhado  que de 2003 a 2013, as exportações nacionais cresceram 69,48%, tendo a região de Santarém tido um aumento superior a este, ao apresentar crescimentos na ordem dos 80,39%. Assim, se for comparado o período de 2009 a 2013, constata-se que este crescimento foi ainda maior, com a região de Santarém a alcançar um crescimento muito acima da média nacional. A nível nacional, registaram-se crescimentos de 48,79%, tendo a região de Santarém crescido 69,51%. Esta taxa de crescimento representa mais 12 pontos percentuais, por exemplo, que a região de Leiria, que apresentou crescimentos de apenas 57,78%.
Este aumento do número de exportações no período 2009-2013 coincide com o reforço da aposta da Nersant nas suas atividades de apoio à internacionalização das empresas do Ribatejo, o que significa que este tipo de atividades tem tido impacte significativo nos negócios realizados pelas empresas além-fronteiras. Refira-se que a associação organizou, neste período, 23 missões empresariais, 20 receções de delegações estrangeiras e promoveu a região e as suas empresas em 14 eventos/feiras internacionais, tendo participado nestas iniciativas mais de 400 empresas. A região de Santarém representava em 2003 apenas 2.44% do total nacional ao nível das exportações, sendo que em 2013 esse valor tinha crescido, representando agora 2.60%

"O Sal da Terra"

Projeção do filme "O Sal da Terra", no próximo sábado às 21,30 h. no auditório da Biblioteca Municipal de Alpiarça.


O filme conta um pouco da longa trajetória do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e apresenta seu ambicioso projeto "Gênesis", expedição que tem como objetivo registar, a partir de imagens, civilizações e regiões do planeta até então inexploradas.
A entrada é livre, limitada à lotação do auditório

Venda de equipamentos elétricos e eletrónicos subiu 7%

O mercado de equipamentos elétricos e eletrónicos voltou a crescer em 2014, pelo segundo ano consecutivo, com mais 6,8% de vendas, destacando-se os computadores entre os produtos mais procurados em contraste com a queda dos televisores.
Os dados recolhidos pela Associação Nacional para o Registo de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (ANREE) indicam que foram vendidos, no ano passado, 62.688.153 produtos (dos quais 21.546.447 correspondentes a equipamentos de informática e telecomunicações), num total de 121.944,35 toneladas.
Os computadores pessoais e portáteis 'laptop' continuaram a ser dos mais procurados, crescendo a uma taxa de 20%, enquanto os aparelhos de televisão mantiveram a tendência negativa, descendo 6,5% em 2014.
As ferramentas elétricas e eletrónicas foram a categoria que mais cresceu, em termos percentuais (24,18%), enquanto os equipamentos de distribuição automáticos foram os que mais diminuíram (-19,92%).
A venda de grandes eletrodomésticos recuou uns ligeiros 2,74%.
Em 2014 existiam em Portugal 1.680 empresas de equipamentos elétricos e eletrónicos, um número semelhante ao do ano anterior, tendo-se registado 146 novas empresas e anulado um número de registos idêntico.
«NM»

terça-feira, 19 de maio de 2015

"Mário Pereira é apenas um moço de recados do PCP "

Pedro Gaspar foi o candidato do PS à presidência da Câmara de Alpiarça, em 2013. Admite que teve uma derrota estrondosa mas garante estar "sempre" disponível para a sua terra. Critica a gestão comunista, liderada por Mário Pereira, a quem acusa de não ter cumprido a sua primeira promessa: unir a população. Diz que as pessoas estão de costas voltadas e que os alpiarcenses voltaram a ter receio de dizer aquilo que pensam. Considera que quem manda no município é o PCP e que Mário Pereira é apenas um "moço de recados" do seu partido. 

Muitos milhares de euros poderiam ser EFETIVAMENTE aplicados ao serviço de Alpiarça


 Estão a perder uma oportunidade soberana de demonstrar que o vereador do TPA é um "tretas"


Se a justificação são as pequenas verbas que as propostas do TPA precisam será melhor equacionar muita outra coisa.
A título de exemplo se não é possível ter arranjado uma avença com um advogado mais barato, se o ROC não podia ter cobrado de acordo com o que cobram os seus colegas nos municipios vizinhos, se as rendas do Parque de Campismo estão em dia, se os arrendamentos das terras da Agroalpiarça estão a ser pagos, se determinada funcionária que estava em comissão e que ganha milhares de euros não poderia voltar à "base" e substituída por alguém do quadro, se os estudos megalomanos encomendados à empresa da família Santana Lopes fazia algum sentido, e, e..., e ...
Muitos milhares de euros que poderiam ser EFETIVAMENTE aplicados ao serviço de Alpiarça.
Ao que vi publicado as propostas que o TPA apresentou eram baratas e de fácil implementação.
Vi até no facebook que alguns jovens se propunham fazer equipamentos desportivos para a zona da barragem/complexo desportivo, assim a CMA autorizasse a instalação.
Se a razão fosse apenas financeira então qual é a justificação para não celebrarem o protocolo com a GNR para o patrulhamento em bicicletas?
Se o Francisco Cunha afirmou que tinha assegurado a oferta das bicicletas e demais equipamento por uma empresa o que falta? Apenas vontade?
Não aceitam dádivas de empresas capitalistas ou será que duvidam da palavra do Cunha?
Se assim é... estão a perder uma oportunidade soberana de demonstrar que o vereador do TPA é um "tretas".
Não custará aos eleitores do PCP que até numa coisa tão simples demonstrem tamanha incapacidade de fazer algo de jeito por Alpiarça? 
Noticia relacionada:

MERCADO MUNICIPAL EM ALPIARÇA

Faça as suas compras no mercado de Alpiarça


Um melão sem qualquer viabilidade económica

 E que dizer de uns iluminados que pretendem fazer a história andar para trás perdendo tempo a recuperar uma espécie de melão (Manuel António) que não vingou porque os mercados não perdoam.
Que seja feito um levantamento histórico, que se realce o valor do meloeiro enquanto agricultor, estou totalmente de acordo.
Agora quererem recuperar um tipo de melão que provou nos tempos recentes não tinha qualquer viabilidade económica é de quem pensa que o dinheiro gasto com esse "fait divers" não faz falta em outras áreas.
Realmente, podia ser só dizer mal por dizer, mas qualquer pessoa com o mínimo de racionalidade sabe que o que é da história deve continuar nessa área e para crescer é preciso perspectivar o presente e o futuro. 
Noticia relacionada:"MELÕES: O Mercado Negro do Carril": 

Há cada vez mais portugueses a deixar de pagar crédito da casa

Número de famílias em dificuldades está a aumentar. Há três anos que não se verificavam tantas faltas de pagamento.
Mais de 6.400 famílias portuguesas deixaram de pagar o crédito da casa no primeiro trimestre de 2015.
Os dados são revelados pelo Banco de Portugal e mostram o maior aumento dos casos de incumprimento no imobiliário desde os primeiros três meses de 2012.
Também o crédito ao consumo regista um aumento das faltas de pagamento, havendo mais 9.213 famílias com prestações em dívida do que no final do ano passado.
No total, são agora 666.350 os casos de créditos em dívida na economia portuguesa.
«NM»

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Vereador Francisco Cunha tem 25% dos votantes, logo: as suas propostas não devem ir para o "lixo"

Claro que o presidente jamais organizaria um fórum jovem para discutir o futuro de Alpiarça conforme proposto pelo comentador, pela simples razão que o vereador Francisco Cunha  que representa 25% dos votantes, já muito antes fez essa proposta formalmente, que deve ter ido para o mesmo sítio das outras: o caixote do lixo da indiferença e do desrespeito por todos nós.
Na melhor das hipóteses teremos alguma iniciativa de fachada organizada pela CMA com o patrocínio do PCP, mas mais perto das eleições.
Noticia relacionada: "LEITOR CONVIDA PRESIDENTE DA CÂMARA PARA UM "FRENT... 


ALTERAÇÃO DE DATA DE REALIZAÇÃO DE REUNIÃO DE CÂMARA


MELÕES: O Mercado Negro do Carril

Enfim em Alpiarça só vejo umas familias que preenchem estes requisitos, os Ramas, o Geada e pouco mais... 


O melão em Alpiarça está condenado, da mesma forma que estão condenadas as mentalidades dos que nos governam...
Estes nossos governantes, não entendem que a viabilidade do melão enquanto cultura que traga riqueza e viabilidade, só pode existir se para tal forem criadas condições para isso, ora vejamos, tem de ser profissionais da agricultura como produtores (nada de electrcista/mecanicos/serralheiros a fazerem uns melões na propriedade do avô e a vende-los por tuta e meia quando aperta a produção); tem de ter canais de distribuição bem definidos, condições próprias para armazenamento e embalamento dos mesmos ( já que a Factoragro foi só para alguns e ainda é, outros pagaram as dividas, enfim, Alpiarça e as cooperativas), tem de ter capacidade e conhecimentos tecnicos para trabalhar sobre pressão e com margens mais curtas...
Enfim em Alpiarça só vejo umas familias que preenchem estes requisitos, os Ramas, o Geada e pouco mais...
Estes nossos governantes querem é os agricultores do hectar ou meio para serem dependentes da CMA ou daquela vergonha que é que o Mercado Negro do Carril... 

Há um ano prometia-se copo cheio. Hoje está meio vazio?

Conjunto de 32 medidas apresentado no ano passado era para cumprir a médio prazo.
Decorria o dia 17 de maio de 2014 quando o Executivo apresentou aos portugueses o documento ‘Caminho para o Crescimento’, que prometia pôr o país a crescer após a saída da troika.
Um ano volvido, diz o Diário Económico que metade das propostas está por concluir. O copo está, portanto, meio cheio. Ou diria meio vazio?
A primeira grande ‘desistência’ chegou em agosto, com o chumbo do Tribunal Constitucional a mais um corte nas pensões. E com ele arrastou o aumento da Taxa Social Única e a subida do IVA.
O que não percorreu o caminho previsto foi também o Banco de Fomento, que se junta um pack de medidas por concluir: lançamento de um PREMAC II (programa de reestruturação de serviços na Administração Pública), a alteração dos estatutos das associações públicas profissionais, o novo Código do Processo Administrativo, a operacionalização do mapa judiciário e o sistema de alerta precoce de acumulação de dívida empresarial.

Portugal é 8.º entre 28 países no incumprimento de crédito

Portugal tem o oitavo pior índice de incumprimento de crédito entre 28 países europeus, segundo um estudo das empresas Intrum Justitia e Oliver Wyman, a que a agência Lusa teve  acesso.
O estudo analisa a situação do crédito dividindo-o em hipotecário, pessoal e a Pequenas e Médias Empresas (PME) em 28 países europeus e faz uma previsão da sua evolução nos próximos três anos.
De acordo com o estudo, Portugal surge em oitavo lugar numa tabela que é liderada pelo Chipre, pela Grécia e pela Irlanda.
Com piores índices de incumprimento de crédito do que Portugal surgem ainda Itália, Eslovénia, Espanha e Hungria (sendo que este último país é classificado no estudo como 'país emergente').
Dividindo os tipos de empréstimo, Portugal piora para sétimo lugar do 'ranking' de incumprimento de crédito no que diz respeito aos empréstimos a PME (ficando à frente da Hungria).
Portugal sobe também para a quinta posição no índice de incumprimento de crédito no que diz respeito apenas a empréstimos pessoais, ficando atrás do Chipre e da Grécia (separados no estudo no grupo de 'países desenvolvidos') e da Hungria e da Letónia (no grupo de 'países emergentes').
No crédito à habitação, Portugal melhora ligeiramente a sua posição, ficando em 10.º lugar, depois de países como Chipre, Grécia, Irlanda, Itália, Espanha, Eslovénia, Malta, Hungria e Letónia.
O estudo da empresa sueca de gestão e recuperação de crédito Intrum Justitia e da consultora estratégica Oliver Wyman faz ainda uma previsão da evolução do crédito nestes 28 países europeus, concluindo que se verifica "maior incumprimento no sul da Europa e nos empréstimos às PME".
No caso português, o estudo conclui que "a banca vai ter de lidar com o fardo do crédito malparado nos próximos anos", mas que "a aprendizagem da situação vai influenciar a performance financeira no futuro", bem como as condições de mercado, que, considera, "vão melhorar".
A Intrum Justitita escreve ainda que "os bancos devem concentrar-se no desenvolvimento de modelos de negócio e fazê-lo de forma eficiente".
Chipre, Grécia, Irlanda, Itália, Eslovénia, Espanha, Portugal, Malta, Bélgica, Áustria, Holanda, França, Reino Unido, Dinamarca, Luxemburgo, Alemanha, Finlândia, Suíça, Noruega, Suécia, Hungria, Letónia, Rússia, Eslováquia, República Checa, Polónia, Turquia e Estónia foram os 28 países analisados pelo Estudo.
«NM»

LEITOR CONVIDA PRESIDENTE DA CÂMARA PARA UM "FRENTE A FRENTE"


Os comentários negativos acerca das três forças politicas penso que, nesta terra, aos jovens pouco interessa. Necessita-se é de acção! 
Porque o presidente não convoca uma reunião com todos os jovens, onde estariam presentes os vereadores? Todos sabemos que acabaria em espectáculo, mas pelo menos é um espectáculo aberto a outro tipo de público.
Chamemos-lhe um frente a frente, um "Ideias da juventude para a juventude" com microfone aberto, menos para o sr. presidente e o sr. vereador do TPA, senão em vez de um debate de ideias passa a ser um teatro 

Noticia relacionada:

domingo, 17 de maio de 2015

O TPA quer roubar ordenados, empregos e reformas e também quer acabar com as festas?


O TPA quer roubar ordenados, empregos e reformas e também quer acabar com as festas? As de porco no espeto e copos de tinto ao domicílio,julgo que sim, mas as de projeção das potencialidades de Alpiarça no país e na Europa, claro que não.
Quem derrotou a intenção da CDU e de Mário Pereira de nos pôr o IMI á taxa máxima? Não foi Mário Santiago?
Quem denunciou a vergonha da taxa de resíduos sólidos urbanos e da falta de limpeza crónica dos contentores?
Quem denunciou a vergonha dos aumentos brutais das Águas do Ribatejo a que Mário Pereira se associou desde a primeira hora? 
O que é que tem o TPA, que integra pessoas desde o CDS até ao PCP, a ver com ordenados e reformas cortadas pelo governo? Olhe que Alpiarça não tem tantos imbecis como imagina.
O TPA não quer festas? Mas onde sonhou com isso? Não quer é favorecimentos partidários como as centenas saídas das nossas contribuições, que a Câmara pagou ao Avante para publicitar a Alpiagra e outras situações que tais...
A verdade é que por muito que custe aos tachistas e clientelas políticas do PCP, o TPA aparenta que está bem e recomenda-se, pois como tem provado apenas quer servir Alpiarça em vez de se servir dos alpiarcenses. Lembre-se que eles não precisam do tacho da câmara e afins para a sua sustentação e dos seus apoiantes como a CDU com o seu clientelismo. 

O povo quer é: "viver à grande, com festarolas e foguetes a estalar"

P.T

Esta rapaziada é levada da breca. Mas, vamos lá por partes: a propósito do tão badalado melão de Alpiarça, é verdade que ele existe! Assim como existe o Melão de Almeirim o melão de Vale de Cavalos, o melão de Vila Franca, o melão espanhol e por aí adiante. O melão pertence à terra que o criou e, ponto final!

Quanto ao facto de terminar ou continuar com as festas, fogos de artifícios, feiras e romarias a expensas do município de Alpiarça, entendo que estas devem depender das várias condições, nomeadamente económicas, existentes de momento para o fazer, estabelecendo regras e prioridades que mais beneficiem as populações e melhor administrem o dinheiro dos impostos pagos pelos contribuintes. Dinheiro que, como sabemos, não pode dar para tudo. Se os eventos forem de iniciativa privada, popular ou outra do género, já é outra conversa e, cada um fará o que entender.
Porém, não devemos esquecer o ditado popular e certeiro que diz: “Quem não tem dinheiro, não pode ter vícios!"
Isto é o que todos devemos meter nas nossas cabeças e não pretender viver à grande, com festarolas e foguetes a estalar, deixando problemas materiais e humanos inadiáveis, por resolver.
É a minha opinião.
Noticia relacionada: ""MELÃO DE ALMEIRIM" em todo o seu esplendor":

É assim o rosto da mulher que Lenine mais amou

Foram precisos quase 100 anos para que um historiador encontrasse uma fotografia de Apollinaria Iakubova, a jovem revolucionária que recusou casar-se com o líder comunista


Vladimir Lenine chamava-lhe Lirochka. Diziam os seus colaboradores mais próximos que a jovem revolucionária foi o seu verdadeiro amor, mesmo tendo recusado a sua proposta de casamento. Trocaram muitas cartas, participaram em reuniões políticas e tiveram acesos debates ideológicos – por escrito e de viva voz –, garantem os historiadores, mas até aqui ninguém conhecia o rosto desta mulher.
Agora, graça ao trabalho de pesquisa de Robert Henderson, especialista em História da Rússia da Universidade Queen Mary de Londres, Apollinaria Iakubova chega até nós numa fotografia a sépia, tirada quando esteve confinada a um campo na Sibéria devido à sua actividade política. Um retrato que, segundo este professor universitário, confirma os relatos da época que a dão como uma mulher bonita e serena, mas firme.
A fotografia foi descoberta em Abril, nos Arquivos Estatais da Federação Russa, em Moscovo, quando Henderson fazia pesquisa sobre um outro revolucionário, Vladimir Burtsev, para um novo livro, escreve o diário britânico The Guardian. Estava guardada entre cartas e outros documentos atados por um fio. “Não há dúvida que é ela porque há um texto manuscrito no verso da fotografia que assim o indica”, disse o historiador ao espanhol El Mundo. “Como muitos outros revolucionários cujos nomes foram apagados da história do movimento russo, Apollinaria merece o reconhecimento que até aqui lhe tem sido negado”, acrescentou o académico na primeira notícia a dar conta desta descoberta, publicada no início da semana passada noCamden New Journal, um semanário gratuito distribuído em Camden, um bairro do norte de Londres onde, por acaso, Apollinaria morou quando esteve refugiada na cidade.
Lembra o Guardian que a jovem russa chegou a Londres depois de fugir do campo de detenção siberiano. Tinha 27 anos e cedo começou a organizar concorridos debates sobre a doutrina comunista no East End, em que participavam operários russos exilados na cidade, integrando ainda um grupo mais restrito que se reunia em Whitechapel para falar de política.
“Foi um prazer inesperado dar com esta fotografia”, reconheceu Henderson. “Depois de 100 anos, o mistério que envolvia a sua imagem foi resolvido. Esta é uma das alegrias da pesquisa em arquivo – grande parte dela é só trabalho árduo.”
Um triângulo revolucionário
Vladimir Ilich Lenine (1870-1924) e Apollinaria Iakubova conheceram-se por volta de 1890 em São Petersburgo. Seria a futura mulher do líder bolchevique a fazer as apresentações. Nadejda Krupskaia e Apollinaria davam ambas aulas a operários e eram amigas.
Filha de um sacerdote, a jovem revolucionária fez estudos de Matemática e Física em São Petersburgo e cedo começou a dedicar-se à política com grande empenho. Lenine apaixonou-se por ela ao ponto de a pedir em casamento, e se alguma vez recuperou da rejeição de Apollinaria, isso ainda é tema de debate entre os historiadores. Seria o editor Konstantin Taktharev a conquistá-la, e os dois casais – Lenine e Nadejda casaram em Julho de 1898 – cruzar-se-iam muitas vezes em Londres.
Lenine teve o apoio e a lealdade de Nadejda até ao fim da vida, mas nunca deixou de ter relações extraconjugais, lembram os seus biógrafos. Apollinaria, com quem continuou a trocar cartas mesmo depois de ela ter regressado à Rússia com o marido, em 1908, não foi a única. A Nadejda referia-se como “amiga, camarada e irmã”, nunca como mulher no sentido de amante. Foi ela o braço direito do líder nas suas actividades revolucionárias e, talvez por isso, o casal se tenha mantido unido mesmo quando o político se envolveu com Inessa Armand, uma mulher descrita como atraente e apaixonante, que conheceu em Paris, em 1909.
Inessa, escritora, parecia ter a mesma tendência que Lenine para a infidelidade. Filha de um casal ligado ao teatro e à ópera, educada na Rússia e casada com um empresário, conhecem-se-lhe várias ligações, inclusive com um cunhado. Ideologicamente, Lenine estava mais próximo de Inessa do que de Apollinaria, e, sexulamente, sentia-se muito mais atraído por qualquer uma delas do que pela sua própria mulher, que muitos definem apenas como uma colaboradora do líder (as irmãs de Lenine chegam mesmo a dizer que Nadejda era assexuada e que, enquanto homem, Lenine nunca lhe interessou).
Uma “força primitiva”
As mulheres eram uma constante na vida de Lenine, e não só no seu círculo de colaboradores. Na juventude gastava parte da mesada que recebia da mãe em sexo e há mesmo quem defenda, como a historiadora Helen Rappaport, autora de Conspirator: Lenin in Exile, que foi a sífilis, contraída com uma das muitas prostitutas que visitava em Paris, a causa de morte do fundador da União Soviética. Mas de todas as mulheres, Apollinaria terá sido a preferida. Talvez pelo seu poder de sedução, ou pelo poder de sedução das suas convicções.
«Fonte: Público»

sábado, 16 de maio de 2015

Restaurantes em Alpiarça


Esta página pretende proporcionar pelo  seu conteúdo um conjunto de informações, que possibilitem a escolha mais conveniente do local onde poderá deliciar-se com a nossa cozinha.

Parte integrante do turismo os restaurantes reflectem uma componente da cultura do nosso concelho: a gastronomia.

Carregue aqui para ver:

Em 2017 logo veremos como os eleitores pensam e se preferem as festas constantes ou a satisfação das necessidades básicas

Quando o dinheiro e os colaboradores envolvidos nas festarolas impedem que as funções para que foram eleitos sejam asseguradas é natural que sejam reduzidas.

Qualquer munícipe consciente prefere os contentores de lixo lavados, a recolha do mesmo efetuada com uma maior regularidade ou o dinheiro gasto nas festarolas e patuscadas poupado para uma futura intervenção de fundo na nossa Barragem dos Patudos.
É uma questão de opções políticas.
Há no entanto quem veja a autarquia como um púlpito para promoções pessoais ou partidárias, para tirar umas belas fotos e para andar quatro anos em campanha eleitoral permanente.
São duas formas de encarar a política.
Em 2017 logo veremos como os eleitores pensam e se preferem as festas constantes ou a satisfação das necessidades básicas.
Creio que a crise trouxe uma maior consciência às pessoas e hoje muitos pensam que o dinheiro é um bem raro e que as festas em que se vêem sempre as mesmas caras são PAGAS por alguém que normalmente não está presente.
E quando o lençol é curto, a cabeça ou os pés ficam destapados.
Noticia relacionada: "Mas qual é a mensagem que querem transmitir à popu...":