.

.

.

.

domingo, 26 de abril de 2015

CDU tentou chumbar a vinda da empresa (Renoldy) para Alpiarça


Lágrimas de crocodilo é não terem votado favorávelmente a instalação da Renoldy em Alpiarça. Para quem não sabe, abstiveram-se depois de intermináveis questões para tentarem chumbar a vinda da empresa para Alpiarça.
Felizmente nessa época estavam em minoria e não conseguiram impedir a empresa de criar postos de trabalho no concelho.
Se estivessem em maioria como teria sido?Imagino ...
Isso é que são grandes lágrimas de crocodilo. Mostrarem-se agora preocupados com uma empresa que nunca desejaram nem apoiaram para que se instalasse em Alpiarça e de um lado trabalharem na sombra na contestação e perante os holofotes aparecerem como defensores.
Felizmente que existem registos na CGTP e outros orgãos do PCP para todos conhecermos quais as suas posições enquanto a empresa esteve a laborar.



5 comentários:

Anónimo disse...

AH, mas se eles se abstiveram e não estavam de acordo com a vinda da RENOLDY acabaram por ter razão.

António Jorge disse...

É assim... em Alpiarça... Também pouco interessa agora, visto a Renoldy encerrar no final do mês... Mas temos obrigação de fazer mais por Alpiarça, Autarcas, Oposição e habitantes!!!

Anónimo disse...

Pouco interessa? Se Cristo ressuscitou, porque não a Renoldy? Profetizo que, como agora, esses crocodilos da CDU se esforçam por se colocar em bicos de pés a fazer crer que moveram mundos e fundos para a Renoldy não fechar, se e quando reabrir também irão ter a pouca vergonha de dizer que o mérito será todo deles.
Que pena a memória dos alpiarcenses ser tão curta. Ja ninguém se lembra da obstrução que a CDU fez a Rosa do Céu para a Renoldy não vir para cá.

Anónimo disse...

Eu não diria que a memória dos alpiarcenses é curta, diria antes que é seletiva.
Lembram-se de factos ocorridos há 60 e 70 mnos, do Sargento Pirers, dos Pides, da repressão, da falta de liberdade..
O que aconteceu após o 25 de Abril, as cooperativas que faliram, as ocupações, o desvio de património deixou de ter lugar na história.
Até se compreende à data certos exageros. O que não se compreende é que as cooperativas tenham falido, os dirigentes com a vida resolvida e os trabalhadores ainda mais pobres do que estavam e desempregados.
E aí a culpa foi de quem? Da troyka, dos mercados, dos capitalistas ou de cooperantes gananciosos que apenas cooperavam para o seu bolso e para o dos seus, marimbando-se na miséria que estavam a provocar nos outros camaradas.
Estranho é que os operários agrícolas, os operários da construção civil, os pintores não fossem sindicalizados apesar de pertencerem a cooperativas de inspiração comunista.
É a única justificação que encontro, não serem sindicalizados...
Digo isto porque não vi os sindicatos terem o mesmo comportamento e atitude que costumam ter quando as falências ou encerramentos ocorrem em empresas privadas.
Os trabalhadores das cooperativas não mereciam ser defendidos com manifestações à porta, com plenários, com reuniões com os ministros e secretários de estado da altura?
Esta sim é a hipocrisia política que faz os camaradas verterem lágrimas de crocodilo conforme quem é a entidade patronal.
Como se um desempregado duma "Ldª", "S.A:", "SGPS" fosse diferente dum desempregado duma cooperativa de linha comunista.
Quer-me parecer que para os trabalhadores é a mesmíssima coisa, com a agravante que aqui não aparecem os grandes defensores dos trabalhadores a apoiá-los supostamente!

Anónimo disse...

Reparem com muita atenção este comentário de quem defende os actuais governantes de Portugal. Eles podem fechar porque querem e os trabalhadores não se podem defender.Não é preciso meterem mais na carta . Nós compreendemos muito bem.